Reconta Aí – Atualiza Aí Modelo chileno de saques em fundos de pensão pode prejudicar aposentadoria, avaliam especialistas

Modelo chileno de saques em fundos de pensão pode prejudicar aposentadoria, avaliam especialistas

chileno

Como parte dos esforços para tentar retomar a atividade econômica, o governo chileno divulgou que nesta sexta-feira (24) ratificará a decisão do Congresso do país de liberar saques de até 10% das reservas em fundos de pensão.

A equipe econômica do governo brasileiro estuda propor uma medida semelhante. Para quem atua no setor, entretanto, uma ação como essa é avaliada como desnecessária – e até mesmo como algo negativo.

“A legislação brasileira não proíbe esse [tipo de] resgate, mas a regulamentação do Conselho Nacional de Previdência Complementar limita estes saques a quem está desligado da empresa patrocinadora. Ou seja, quem está desempregado [já] pode sacar”, explica Luiz Felippe Fonseca, assessor da Associação Nacional dos Participantes de Previdência Complementar e Autogestão em Saúde (Anapar).

“É desnecessário [modificar o regramento]. Quem está com maior necessidade, os desempregados, já podem sacar esses recursos”, complementa.

Marcel Barros, diretor de Seguridade da Previ, defende que o Chile deve ser visto como “um exemplo do que não fazer” em assuntos previdenciários, “a começar pelo fim absoluto da previdência pública”, o que “hoje se revelou um desastre”.

“Você resgatar reservas que você tem com finalidade previdenciária é uma temeridade. Previdência é você preventivamente pegar uma parte do salário, poupar e fazer um sacrifício, para lá na frente você usufruir. Se gastar agora não vai ter lá na frente. Consequentemente, você pode ter um problema enorme para o país no futuro”, critica.

Barros e Fonseca explicam que caso o mecanismo seja implementado, não só a aposentadoria individual pode ser prejudicada, mas o funcionamento dos fundos e, consequentemente, os investimentos de longo prazo que ocorrem no Brasil.

“Se ele puder sacar isso agora, ele pode prejudicar a aposentadoria futura dele. Prejudica o investimento de longo prazo coletivo e do próprio País. Dependeria do volume dos saques, mas talvez a carteira de investimentos não esteja pronta para ter liquidez para pagar os saques e ele tenha que se desfazer de algum ativo em um momento em que a gente sabe que os ativos ainda estão desvalorizados”, adiciona Fonseca.

“O governo federal deveria estar pensando em criar cultura previdenciária, não tentar obter índices econômicos positivos [artificiais] para dizer que está trabalhando”, finaliza Barros.