Reconta Aí Atualiza Aí Sob militares, Ministério da Saúde manda aviso subliminar sobre redes sociais para servidores

Sob militares, Ministério da Saúde manda aviso subliminar sobre redes sociais para servidores

Servidores do Ministério da Saúde receberam hoje um e-mail da Comissão de Ética da Pasta com diretrizes para o uso de redes sociais.

Em comunicado enviado por meio dos endereços eletrônicos dos servidores, a Comissão de Ética do Ministério da Saúde enviou hoje diretrizes sobre o uso das redes sociais pessoais.

Citando o Facebook, WhatsApp e Twitter, sugeriu que os servidores deveriam ter cuidado com o que postam, observando sua posição de agente público. No mesmo sentido, o comunicado dizia que “Fatos e atos verificados na conduta do dia a dia em sua vida privada poderão acrescer ou diminuir o seu bom conceito na vida funcional. A arte também apresenta um erro ortográfico, trocando “sociais” por “socais”.

Militarização do Ministério da Saúde

É fato conhecido que em meio à maior pandemia do século, o Ministério da Saúde brasileiro conta com um ministro interino militar, general Eduardo Pazuello. Contudo, além da chefia direta da Pasta, houve uma ampla nomeação de militares para funções de comando, logística e estratégia. Em comum, além de virem das Forças Armadas, quase nenhum deles têm formação ou experiência na área da Saúde.

Essa vinda dos militares aliada à ingerência até na vida privada dos servidores causa preocupação. Isso se dá não só pelo temor de perseguições, tão comuns à vida dos funcionários públicos envolvidos em sindicatos e associações, mas também pelo objetivo que desejam alcançar.

Em meio à pandemia, com acusações de maquiagem de dados e reiteradas mudanças na forma de comunicar a evolução da doença no País, é possível crer que os militares agora querem silenciar os técnicos?