Reconta Aí Atualiza Aí Caixa Convenção Coletiva faz Caixa recuar de MP de Bolsonaro

Convenção Coletiva faz Caixa recuar de MP de Bolsonaro

Empregados da Caixa foram surpreendidos, ontem (13), com um comunicado interno da direção do banco estipulando nova jornada de trabalho para a categoria. A mudança seria por conta da Medida Provisória 905, publicada terça-feira (12), no Diário Oficial da União (DOU).

A MP foi anunciada pelo governo como o “Programa Verde Amarelo” para geração de empregos para jovens de 18 a 24 anos.

No entanto, o texto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes – “para gerar mais empregos” – também estabelece uma série de mudanças nas leis trabalhistas, entre elas, da jornada de trabalho dos bancários de seis para oito horas (exceto dos que operam exclusivamente em caixa).

A surpresa deve-se ao fato de que a categoria está assegurada, até agosto de 2020, por meio de Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) assinada em 2018. Pelo que estabelece a Reforma Trabalhista, o acordado prevalece sobre o legislado. Sendo assim, a direção da Caixa descumpriria a lei ao tentar adequar-se à nova MP de Bolsonaro.

Após reunião do Comando Nacional dos Bancários com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), a diretoria da Caixa voltou atrás no comunicado, o que mostra a força da Convenção Coletiva da Categoria. Até o fechamento desta matéria, as negociações seguiam em suspenso.

Veja comunicado da Fenaban

Em reunião com a Fenaban, o Comando Nacional dos Bancários afirmou a contrariedade da categoria com a MP 905.

Após eles informarem que 40 bancos já haviam manifestado que iriam cumprir de imediato a Medida, com jornada de 44 horas para todos, de segunda a sábado, o Comando comunicou que se eles aplicarem a medida, irá reabrir a Campanha Nacional.

Cobramos a não aplicação do aumento da jornada; o não trabalho aos finais de semana e o compromisso de PLR só com negociação com os sindicatos. Bancos pediram uma pausa e negociação está suspensa, aguardando resposta”.