Reconta Aí Atualiza Aí Estimativas do PIB 2019 confirmam desaceleração

Estimativas do PIB 2019 confirmam desaceleração

O Banco Central divulgou nesta sexta-feira (14) o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), apontando um crescimento de 0,89% da economia brasileira em 2019. A estimativa fecha uma série de projeções que indicam crescimento econômico no ano passado, mas em patamares inferiores a 2017 e a 2018.

O resultado oficial do Produto Interno Produto (PIB), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com a soma de todos os bens e serviços produzidos no País, será divulgado apenas no início de março. Em dezembro passado, o IBGE anunciou que os números das exportações seriam revistos, após informações divergentes prestadas pela Secretaria de Comércio Exterior, do Ministério da Economia.

O IBC – que agrega estimativas para a agropecuária, indústria e serviços, além de impostos – foi criado pelo Banco Central, utilizando metodologia distinta do PIB, para que se pudesse ter um índice mensal de acompanhamento da economia. Apesar das distinções, a taxa é vista como uma prévia do Produto Interno Produto, tendo os dois indicadores curvas próximas e similares.

Mesmo com as diferenças, o IBC divulgado confirma um crescimento abaixo dos 1,3% verificado tanto em 2017 como em 2018. Outros marcadores apontam a mesma dinâmica para 2019.

Pesquisa do Banco Central entre entes privados prevê aumento de 1,12%. A última projeção do Ministério da Economia também está no mesmo patamar, após aumento em relação à estimativa prévia, de 0,9%.

Já a estimativa oficial do próprio Banco Central para 2019 é de crescimento de 1,2%.

Para 2020, a Economia prevê alta de 2,4%. Já o mercado financeiro estima aumento de 2,3% para o PIB este ano. As duas projeções foram divulgadas antes da emergência do corona vírus, fator que, segundo alguns economistas, pode desacelerar a economia global.