Reconta Aí Atualiza Aí Economia recua 6,1% em abril, diz FGV

Economia recua 6,1% em abril, diz FGV

(Foto: Reprodução/Agência Brasil)

Uma sondagem feita pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) aponta que a economia brasileira teve retração de 6,1% nos três meses encerrados em abril, em relação ao trimestre finalizado em janeiro deste ano.

Na comparação mensal, ou seja, abril contra maio, a retração foi ainda maior na atividade econômica: 9,3%. O dado é do Monitor do PIB, levantamento feito mensalmente e que foi divulgado nesta segunda-feira (22) pela FGV.

Os números – nada animadores – refletem as medidas de isolamento por conta da pandemia de Covid-19.

“A pandemia impõe restrições de oferta e de demanda (pelo isolamento social). A paralisação de diversos setores implica perdas de ocupações, de empregos, redução de jornada e de salário. Movimentos que levam a uma espiral de queda de renda e de consumo”, disse o economista e diretor do Reconta Aí, Sérgio Mendonça.

“Somam-se a esses movimentos a incerteza e a insegurança sobre o futuro que alimenta ainda mais essa queda. Como diria o professor Belluzzo, ‘quanto mais cai, mais cai!’ “, enfatiza.

Leia também:
Boletim Focus: Tombo no PIB será de 6,50% em 2020, apostam economistas

O dado de abril mostra, segundo a FGV, retração recorde da economia, disseminada em diversas atividades e componentes da demanda, sendo a “pior da história recente”.

A sondagem de abril também aponta que o consumo das famílias caiu 5% no trimestre finalizado em abril, em comparação ao mesmo trimestre no ano anterior. Apenas o consumo de produtos não duráveis cresceu (1,2%), impulsionado pelos produtos alimentícios e os artigos farmacêuticos.

A retração recorde no consumo de semiduráveis (-31,5%) foi influenciada pelo recuo no consumo de vestuários e calçados em geral enquanto a queda no consumo de duráveis (-22,3%) deveu-se, em grande parte, ao consumo de veículos em geral.