Reconta Aí Atualiza Aí Coronavírus: Pandemia deixa 9,7 milhões de trabalhadores sem remuneração em maio

Coronavírus: Pandemia deixa 9,7 milhões de trabalhadores sem remuneração em maio

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O distanciamento social fez com que trabalhadores passassem o mês de maio sem remuneração. É o que revela uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira (24) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O triste retrato da classe trabalhadora está na PNAD COVID19: entre os 84,4 milhões de trabalhadores do País, cerca de 19 milhões estavam afastados do trabalho e, entre estes, 9,7 milhões estavam sem sua remuneração. Isso equivale a 11,5% da população ocupada em maio de 2020.

Os trabalhadores domésticos sem carteira foram os mais afetados, registrando o maior percentual de pessoas afastadas devido à pandemia (33,6%). Segundo o IBGE, uma parte expressiva desses trabalhadores tem renda média abaixo de um salário mínimo.

Entre os trabalhadores domésticos com carteira, o percentual de afastados foi de 16,6%. O fato de serem menos afetados tem como justificativa a estabilidade, explicou o diretor adjunto de pesquisas do IBGE, Cimar Azeredo.

26,6% dos trabalhadores do Nordeste foram afastados do trabalho pela pandemia

Entre os 84,4 milhões de trabalhadores do País, o Nordeste apresentou o maior percentual (26,6%) de pessoas afastadas do trabalho devido ao distanciamento social, enquanto a região Sul foi a menos afetada (10,4%).

Do contingente total de trabalhadores, o grupo etário com a maior proporção de pessoas afastadas do trabalho foi o de 60 anos ou mais de idade: 27,3%. Esse comportamento foi verificado em todas as grandes regiões e, no Nordeste, o afastamento chegou a 33,3% das pessoas de 60 anos ou mais de idade.