Reconta Aí Atualiza Aí Bolsonaro nega auxílio emergencial para mais de 50 categorias de trabalhadores informais e autônomos

Bolsonaro nega auxílio emergencial para mais de 50 categorias de trabalhadores informais e autônomos

informais

Informais como motoristas de aplicativos, caminhoneiros e diaristas serão prejudicados. Pai solo também não poderá receber o dobro do auxílio.

Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta Aí no Facebook.
Adicione o WhatsApp do Reconta Aí para receber nossas informações.

O presidente Bolsonaro vetou grande parte do Projeto de Lei nº 873/2020, prejudicando mais de 50 categorias de trabalhadores informais que estão sem renda por causa da pandemia de coronavírus. O texto foi publicado na edição desta sexta-feira (15) do Diário Oficial da União (DOU).

De acordo com o Governo Federal, a proposta fere o princípio da isonomia por privilegiar algumas profissões e outras não. Além disso, o Governo alega que o Congresso não especificou qual seria a origem da verba nem o impacto do aumento de despesa nas contas públicas.

Os vetos prejudicam informais e autônomos como motoristas e entregadores de aplicativos, caminhoneiros, diaristas e catadores. Além disso, acaba com a possibilidade de homens solteiros chefes de família receberem em dobro o auxílio emergencial.

Entretanto, mães adolescentes menores de 18 anos poderão agora receber o pagamento.

A lei entra em vigor com a sanção e os vetos serão analisados pelo Congresso Nacional. Dessa forma, os parlamentares podem manter ou derrubar a decisão de Bolsonaro.

Leia também:
– Auxílio emergencial: Novas categorias que poderão receber os R$ 600
MEI: Como fica o auxílio emergencial para quem teve renda tributável em 2018
– Atenção! Saiu o calendário de pagamento da segunda parcela do auxílio emergencial

Renda tributável em 2018

O Governo Federal também vetou artigo que derrubava o pré-requisito de não ter tido renda tributável maior que R$ 28.559,70 em 2018 para receber o auxílio emergencial. Dessa forma, milhares de brasileiros autônomos e microempreendedores individuais continuarão sem ter direito aos R$ 600.

A medida prejudica todos os brasileiros que, desde a declaração de imposto de renda de 2018, viu a vida mudar drasticamente. Muitos perderam o emprego e passaram a trabalhar como autônomo ou MEI. Além disso, microempreendedores individuais viram sua renda diminuir – e até zerar – nos últimos tempos.

O PL nº 873/2020 revoga esse pré-requisito, permitindo que esses brasileiros possam solicitar o auxílio emergencial de R$ 600. Mas o presidente Bolsonaro vetou essa possibilidade.

Bolsa Família

Parte do texto sancionada pelo Governo Federal trata dos beneficiários do Bolsa Família. O pagamento do auxílio emergencial substituirá o Bolsa Família temporariamente nos casos em que for mais vantajoso para o beneficiário. Dessa forma, não será possível acumular os dois pagamentos.

FIES

A lei também permite a suspensão das parcelas do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). De acordo com o PL, a regra vale para os contratos que estavam em dia antes do início da vigência do estado de calamidade pública por conta da pandemia, em março.

A suspensão poderá ser de duas parcelas – para os contratos em fase de utilização ou carência – ou quatro parcelas – para os contratos em fase de amortização.

Trabalhadores informais proibidos de receber os R$ 600

Confira abaixo a lista de categorias vetadas, de acordo com o PL nº 873/2020. Dessa forma, esses trabalhadores informais não poderão solicitar o auxílio emergencial.

  • trabalhador com contrato de trabalho intermitente em carteira, que tenham renda mensal inferior a 1 salário mínimo;
  • profissional que exerça profissão regulamentada por lei e que esteja inscrito em seu conselho;
  • pescadores artesanais e aquicultores;
  • agricultores familiares e técnicos agrícolas;
  • catadores de materiais recicláveis;
  • taxistas, mototaxistas, motoristas de aplicativos e de transporte escolar, além de entregadores de aplicativos;
  • caminhoneiros;
  • diaristas;
  • agentes e guias de turismo;
  • trabalhadores da arte e da cultura, incluindo autores, artistas e técnicos de espetáculos;
  • mineiros e garimpeiros;
  • ministros de culto, missionários e teólogos;
  • profissionais autônomos de educação física, além de atletas, paralelas e preparadores físicos;
  • fisioterapeutas, nutricionistas e psicólogos;
  • árbitros, auxiliares de arbitragem e outros trabalhadores envolvidos em competições esportivas;
  • barraqueiros de praia, ambulantes, feirantes, camelôs e baianas de acarajé;
  • garçons;
  • marisqueiros e catadores de caranguejos;
  • esteticistas, manicures e pedicures;
  • sócios de empresas inativas;
  • vendedores porta-a-porta;
  • pessoas que atuam na economia solidária;
  • pescadores artesanais que não recebam o seguro-defeso.