Reconta Aí – Atualiza Aí Bolsonaro fechou mais de vinte armazéns públicos de alimentos em 2019

Bolsonaro fechou mais de vinte armazéns públicos de alimentos em 2019

armazéns públicos

Antes da eclosão do debate em torno da alta do preço dos alimentos, o Governo Federal vem fechando unidades da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), empresa pública ligada ao Ministério da Agricultura. Ao longo de 2019, a gestão de Jair Bolsonaro fechou 27 armazéns públicos da estatal.

Para Matheus Gringo de Assunção, economista e integrante do Instituto Tricontinental de Pesquisa Social, a diminuição do número de silos da Conab é um sintoma de uma política que pode ter influenciado a alta de alimentos.

Segundo ele, há “elementos conjunturais, como o próprio câmbio e a redução da área plantada com arroz” para a elevação do preço dos alimentos, em especial, do produto mais típico na mesa dos brasileiros.

Leia também:
=> Preço do arroz gera tensão entre Ministérios
=> MST segue vendendo arroz a preço justo

De outro lado, há questões “estruturais”, dentre as quais se incluem a redução da Conab. Em sua visão, Assunção defende que essa política contraria a ideia de que a agropecuária tem uma dimensão ligada à soberania nacional, o que foi cristalizado na legislação nacional ao se atribuir ao Estado as funções de “planejamento, fiscalização e controle” na produção de alimentos.

“Se observarmos a consolidação e avanço do agronegócio a partir da década de 1990, há uma relação com o desmonte dos armazéns públicos, não só da Conab, mas também no âmbito estadual. Há uma política de privatização”, aponta ele.

“O que temos vistos é uma redução, ano a ano, dos estoques de alimentos no País. O estoque de arroz vem diminuindo desde 2015, quando chegou a ter um milhão de toneladas”, complementa.

Em agosto de 2020, o estoque de arroz era de 21,5 mil toneladas, “o que é baixíssimo”, na avaliação de Assunção.

A retirada gradativa do Estado nesse tema ganhou força a partir do governo de Michel Temer (MDB). Em outra frente, a de políticas públicas diretamente direcionadas à população e ao produtor, Assunção cita o desmonte do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), que garantia “acesso à alimentação saudável ao mesmo tempo em que viabilizava a produção dos pequenos agricultores, ao evitar que parte do que foi produzido não fosse comercializado”.

“Praticamente acabou o PAA. Formalmente existe, mas as suscessivas reduções orçamentárias inviabilizam o programa”, indica.

A conjunção dessas políticas, na análise do economista, significou uma “menor margem de manobra para regular preços dos alimentos”, o que poderia explicar a inflação dos produtos que compõem a cesta básica – ou a dificuldades de resposta a esse contexto.