Reconta Aí Atualiza Aí Boletim Focus: PIB brasileiro deve fechar 2020 em queda de 5,95%

Boletim Focus: PIB brasileiro deve fechar 2020 em queda de 5,95%

Focus

O Boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira (20) pelo Banco Central (BC), mostra que os economistas ainda estão sem enxergar uma solução para a crise da economia brasileira.

De acordo com o boletim, a projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020 segue negativa, fechando o ano em -5,95%. O Relatório Focus é feito com mais de 100 instituições financeiras.

– Siga a página do Reconta Aí no Instagram (clicando aqui).
– Siga a página do Reconta Aí no Facebook (clicando aqui).
– Adicione o WhatsApp (61) 9.9977-9527 do Reconta Aí para receber nossas informações (clicando aqui).

Entretanto, o pessimismo dos economistas diminui para os próximos anos. Para eles, o PIB em 2021 deve ser de 3,50%, quanto para 2022 e 2023, as estimativas continuam em 2,50%.

Leia também:
Cadê o meu emprego? Vagas para auxiliar de serviços gerais
Calendário de pagamento da 4ª e 5ª parcelas do auxílio emergencial já está disponível
Pandemia foi responsável por 40% das empresas fechadas

Dólar

Nas últimas semanas, o boletim vem prevendo uma taxa de câmbio estável. De acordo com os economistas, a cotação do dólar deve ficar em R$ 5,20 para o fim deste ano.

Para 2021, a previsão fica em R$ 5,00. No entanto, 2022 e 2023 devem fechar com o câmbio valendo R$ 4,80.

Selic

A taxa básica de juros, mais conhecida como Selic, é usada pelo governo para alcançar a meta de inflação. Com essa taxa mais baixa, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.

Na edição desta semana, os economistas do mercado financeiro mantiveram a previsão para a taxa Selic no fim de 2020 em 2% ao ano.

Entretanto, as previsões para os próximos anos seguem estáveis. Em 2021, a taxa deve ficar em 3%; 2022 em 5%; e 2023 para 6%.

Inflação

De acordo com o Boletim Focus, a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2020 continua subindo e deve fechar o ano em 1,72%.

Para 2021, a estimativa de inflação se manteve em 3%. No entanto, em 2022 e 2023 ela deve ficar mais alta, sendo 3,50% e 3,25%, respectivamente.

A previsão fica abaixo do centro da meta de inflação, de 4% em 2020, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.