Reconta Aí – Atualiza Aí Bancários se mobilizam para mostrar a importância da Caixa 100% pública

Bancários se mobilizam para mostrar a importância da Caixa 100% pública

caixa seguridade

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A fim de dialogar com a população sobre a importância das empresas públicas, dirigentes da Associação de Pessoal da Caixa Econômica Federal (Apcef-SP) e do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região têm realizado uma série de atividades pelos municípios de São Paulo.

Além da campanha nas redes sociais, a ação – que acontece na porta das agências bancárias da Caixa – tem como objetivo esclarecer a população que utiliza os serviços bancários sobre a importância da Caixa 100% Pública, bem como manter a continuidade do pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 enquanto durar a pandemia.

Os dirigentes já passaram por vários municipios paulistas e nesta quinta-feira (15), a atividade acontece em São Paulo. No dia 22, será em Cotia e, no dia 27, em Osasco.

“Nós temos feito atividades na porta das agências para dialogar com a população sobre a importância das empresas públicas para intervir, positivamente, na melhoria da qualidade de vida da sociedade. Isso foi demonstrado especialmente durante a pandemia com o esforço feito pelos empregados da Caixa”, explica Leonardo Quadros, diretor da Apcef-SP.

Segundo ele, a conversa com a população também aborda a ameça que a MP 995 representa à Caixa 100% Pública, já que ela prevê a venda de subsidiárias, o que tende a reduzir a rentabilidade da Caixa e comprometer sua capacidade de atuação.

“A população entende a importância de mantermos a Caixa como ela é hoje, 100% pública, e tem apoiado também a nossa luta por mais contratações”, completou.

A MP 995 é o primeiro passo para a alienação de ativos da Caixa, que pretende diminuir a atuação em setores como o mercado de seguros e outros não estratégicos.

Se aprovada, a Medida levará à reestruturação da instituição até dezembro de 2021 e permitirá o acesso a fontes adicionais de financiamentos, com a possibilidade de alienação de ativos e a realização de Ofertas Públicas Iniciais (IPOs).