Reconta Aí Atualiza Aí Opina Aí Artigo | Em defesa dos planos de saúde de autogestão

Artigo | Em defesa dos planos de saúde de autogestão

Antônio Bráulio de Carvalho*

Os representantes de entidades que congregam beneficiários de planos de saúde de autogestão estão mobilizados para reunir assinaturas em petição a favor da aprovação do PDC 956/18, da deputada federal Erika Kokay (PT-DF), que susta os efeitos da resolução 23 da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração da Participações Societárias da União (CGPAR), que, com a resolução 22, impõe sérias restrições à destinação de recursos das empresas com a assistência à saúde dos empregados. Algumas empresas já começam a implantar, transferindo, em pouco tempo, todos os custos de tratamentos de saúde aos titulares.

A mobilização é fruto de articulação Anapar e das entidades ANABB, Fenae, Contraf CUT, FUP, Fentec, Findect, AFBNDES, AFFename, AFBNDESPar, UnidasPrev, ACCEF, Fenacef, Fenag, Advocef, Aneac, SocialCaixa.

Leia também:
Projeto que restaura direito de trabalhadores de estatais a plano de saúde enfrenta dificuldades

Reunidos no dia 29 de outubro de 2020, manifestam sua profunda preocupação com a tentativa de extinção dos planos de assistência à saúde de autogestão dos trabalhadores das empresas públicas federais, traduzida nas resoluções CGPAR 22 e 23.

Alertam também para o fato de que, para além da intenção de reduzir custos administrativos com o objetivo de tornar as empresas ainda mais atrativas à privatização, o fim das autogestões de saúde abrirá para as operadoras privadas um novo nicho de mercado, representado pelos milhões de empregados e seus dependentes, uma forma de reequilibrar as finanças das empresas que exploram comercialmente os serviços de saúde coletiva, visando a obtenção de lucro.

Contudo, é necessário frisar que nem todos os atuais participantes terão condições de migrar para planos de saúde privados, pois, diferentemente do que ocorre atualmente com os planos das empresas estatais, as operadoras de mercado não trabalham com a lógica da socialização de custos (quando cada um paga na medida de sua condição financeira e todos usufruem de maneira igualitária), nem tampouco adotam o princípio do pacto geracional, por meio do qual os mais novos ajudam a custear as maiores necessidades dos idosos em recorrer aos serviços de saúde.

Assim, grandes massas de trabalhadores terão de recorrer ao sistema público, agravando ainda mais as já precárias condições de atendimento nas unidades do SUS. Em que pesem as diferenças de características entre os programas de cada uma das estatais, essas medidas atingirão a todos indistintamente, tornando-os insustentáveis, retirando dos trabalhadores e de seus dependentes o direito inalienável da proteção à saúde.

Para assinar a petição online, basta acessar este link http://chng.it/spKZG5ZMsf

*Presidente da Associação Nacional dos Participantes de Fundos de Pensão e dos Beneficiários de Saúde Suplementar de Autogestão (Anapar)