Reconta Aí Atualiza Aí Amapá: novo apagão retrata fragilidade do setor energético com a política de privatização

Amapá: novo apagão retrata fragilidade do setor energético com a política de privatização

O Amapá passou por um novo apagão na noite de terça-feira (17). Em meio a protestos por falta de luz, o episódio retrata mais uma vez a falácia da privatização envolvendo áreas essenciais e estratégicas do Estado brasileiro.

Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta Aí no Facebook.
Adicione o WhatsApp do Reconta Aí para receber nossas informações.
Siga a página do Reconta Aí no Linkedin.

Este foi o segundo blecaute ocorrido em novembro. O fornecimento de energia elétrica começou a ser interrompido no dia 3. Desde então, a energia passou a ser distribuída em forma de rodízio, administrada pela pela Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA).

“Estamos com os  técnicos da Eletronorte reestabelecendo mais uma vez o  sistema juntamente com os trabalhadores da Companhia do Estado do Amapá. Isso  mostra uma grande fragilidade do sistema energético com a política de privatização querendo ser emplacada nesse governo”, disse Jedilson Santa Bárbara de Oliveira, presidente do Sindicato dos Urbanitários do Amapá (Stiu-AP).

Leia também:
Apagão: “Hoje é o Amapá, amanhã pode ser outro”, alerta sindicalista sobre privatização do setor elétrico

Para atender às demandas do Amapá, o Governo decidiu contratar até 60 MW adicionais de energia de termelétricas, em carater temporário. A decisão foi tomada um dia antes do novo apagão – em reunião extraordinária do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) realizada na segunda-feira (16).

“Todos sabem que essa contratação de energia térmica é temporária e que só a instalação e funcionamento de um segundo transformador dará uma tranquilidade para a população na estabilidade do fornecimento da energia”, disse o sindicalista. “Acreditamos  que até o final  do mês a população possa sair dessa crise depois de instalado esse segundo transformador”.

Os geradores que chegaram no Amapá ja estão sendo instalados em duas usinas da Eletronorte. A expectativa é de que entrem em funcionamento até o dia 26.