Reconta Aí Atualiza Aí Alimentos e bebidas puxam inflação para cima

Alimentos e bebidas puxam inflação para cima

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) divulgado hoje trouxe o maior resultado para o mês de setembro desde 2012; o indicador de inflação ficou em 0,45% em setembro.

O IPCA-15 divulgado hoje (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) chegou a 0,45% em setembro, bem acima da taxa de agosto (0,23%). Ou seja, o consumidor tem sentido no bolso o aumento dos preços. Os preços de alimentos e bebidas foram os maiores responsáveis com uma variação de 1,48%, o que gerou um impacto de 0,30 ponto percentual no IPCA-15.

O IPCA-15 abrange famílias com rendimentos de 1 a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, além do Distrito Federal e Goiânia.

Entre os alimentos, as carnes tiveram o maior impacto no índice: 3,42%, representando 0,09 ponto percentual. Também tiveram aumento de valor o tomate (22,53%); óleo de soja (20,33%); arroz (9,96%) e leite longa vida (5,59%).

Considerando o ano, a prévia da inflação teve alta de 1,35% e, em 12 meses, atingiu 2,65%.

Inflação em alta? IPCA 15 mostra que sim.

Não foi só a comida que aumentou

De acordo com o IBGE, depois da comida, os preços que mais subiram impactando o bolso dos brasileiros foram os do setor de transporte. A subida do preço da gasolina, com alta de 3,19%, causou impacto de 0,15 p.p. (ponto percentual) no índice. Óleo diesel e etanol também tiveram alta: 2,93% e 1,98%, respectivamente.

No mesmo sentido, as passagens aéreas também subiram. O preço ficou em média 6,11% mais alto, depois de quatro meses de queda.

Preços em queda

Os setores que registraram as maiores quedas foram os Planos de Saúde, com -2,31%, por decisão da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) de suspender os reajustes.

Os preços do vestuário seguem em queda: -0,27%, mesmo que de maneira menos acentuada do que nos meses anteirores, cujos valores foram -0,91% para julho e -0,63% para agosto.

O aumento foi sentido em todo o País

Em todas as regiões do País a população pode sentir que a vida está mais cara. Contudo, os habitantes de Goiânia sentiram mais. O resultado do IPCA -15 foi de 1,10%. Os vilões da cidade foram os aumentos dos preços da gasolina 8,19% e do arroz 32,75%.

Já em Salvador, a situação foi menos pior. Os aumentos e quedas fixaram o aumento do IPCA-15 em 0,18%. A queda no preços da gasolina -2,66% contribuiu para tal.

Mas o que é inflação? Nesse vídeo, o IBGE explicas as diferenças entre os índices que medem a inflação no País. Confira!