Pular para o conteúdo principal

Atlas da Violência: Negros foram 77% das vítimas de homicídio

Imagem
Arquivo de Imagem
racismo negros fotos públicas: Foto: Roberto Parizotti.

Foto: Roberto Parizotti/Fotos Públicas

Quase oito em cada dez (77%) vítimas de homicídio no Brasil são negros. O dado, que se refere ao ano de 2019, indica uma taxa de  29,2 assassinados por 100 mil habitantes. A taxa foi de 11,2 para cada 100 mil entre os não-negros.

Os dados são da mais recente edição do Atlas da Violência. A partir deles se chega à conclusão de que a chance de um negro ser vítima de homicídio é 2,6 maior que a chance de um não negro. A publicação é uma iniciativa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública em parceria com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN).

Quando se leva em conta os dados de uma década (2009-2019), chega-se também à constatação de que a quantidade de homicídios que vitimam negros tem aumentado, inverso do que ocorre com o restante da população: o número de negros vítimas de homicídio aumentou 1,6% no período, passando de 33.929 9 para 34.466 em 2019. Os não negros foram de 15.249 para 10.217 e, redução de 33%.

VEJA TAMBÉM:
- Escândalo de assédio contra servidores cometido por Sérgio Camargo pode não ser exceção no governo
- Desemprego tem leve recuo, mas ainda atinge 14,4 milhões

Neste intervalo de tempo, 50.056 dos homicídios tiveram como vítimas mulheres. Nesse período, o total de mulheres negras mortas cresceu 2%, ao passo que o número de mulheres não negras mortas caiu 26,9%. O local em que mulheres são assassinadas também apresenta variação. Assassinatos dentro da própria residência aumentaram 6,1%, fora delas, caíram 28,1%.

“Está largamente documentado que os assassinatos de mulheres dentro de casa estão associados à violência doméstica. Os homicídios de mulheres fora de suas residências, por outro lado, em geral, estão associados a dinâmicas de violência urbana. O crescimento dos homicídios de mulheres dentro do próprio lar nos últimos 11 anos indica o recrudescimento da violência doméstica no período”, afirma Samira Bueno, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

A publicação também destaca mudança na distribuição dos homicídios femininos: enquanto a taxa de homicídios de mulheres dentro das residências cresceu 6,1%, a taxa de mulheres mortas fora das residências caiu 28,1%.

Do ponto de vista etário, são os jovens que são mais assassinados. No mesmo período mencionado anteriormente, 623.439 pessoas foram vítimas de homicídio no país. Deste total, 333.330 (53%) eram adolescentes e jovens.

O meio mais utilizado para o cometimento deste tipo de crime são as armas de fogo. Do total de homicídios na década analisada, 439.160 pessoas foram mortas por disparos, o equivalente a 70%. Isso significa que entre 2009 e 2019, 109 pessoas foram mortas por tiros a cada dia no Brasil.