Pular para o conteúdo principal

Assédio na Caixa: Deputada propõe 7 medidas para acelerar investigação contra Pedro Guimarães

Imagem
Arquivo de Imagem
erika kokay

Frente ao escândalo de assédio sexual envolvendo o presidente da Caixa Pedro Guimarães, contra empregadas do banco público, a bancária da Caixa aposentada, ex-dirigente sindical e atual deputada federal Erika Kokay (PT - DF) propôs medidas para acelerar as investigações sobre as denúncias.

"Pedro Guimarães tem que ser imediatamente afastado, sem prejuízo das investigações", disse. Contudo, a deputada e a oposição ao governo não vão esperar "sentados" às decisões judiciais. Para tanto, Kokay elaborou um roteiro com sete medidas que serão tomadas:

Leia também:
-
Ex-presidenta da Caixa afirma: Gestão de Pedro Guimarães se caracterizou por perseguições e deboches
- Escândalo na Caixa: um País sob Assédio

a) Representação ao Ministério Público do Trabalho para abertura de inquérito para investigar eventuais crimes e ilegalidades no âmbito das relações de trabalho;
b) Denúncia, junto à Comissão de Ética Pública da Presidência da República, para análise sobre suposta infração ao Código de Conduta da Alta Administração Federal;
c) Representação, junto ao Ministério Público Federal, pleiteando que o órgão faça pedido de afastamento imediato do Sr. Pedro Guimarães da Presidência da Caixa Econômica Federal;
d) Requerimento de audiência pública da CTASP sobre assédio sexual no mundo do trabalho;
e) Requerimento de convocação do ministro da Economia, Paulo Guedes, para que ele explique ações em relação à conduta de Pedro Guimarães;
f) Requerimento de informação ao ministro Paulo Guedes sobre quais ações foram adotados no caso Pedro Guimarães;
g) Ofício à Procuradoria da Mulher da Câmara para que esta acompanhe as investigações.