Pular para o conteúdo principal

Apesar de polêmica de Suplicy, diretrizes incluem renda básica da cidadania

Imagem
Arquivo de Imagem
eleições 2022

Eduardo Suplicy, atualmente vereador no município de São Paulo, marcou presença de uma forma inusitada no lançamento das diretrizes para construção do programa de governo do Partido dos Trabalhadores (PT) e seus aliados nesta terça-feira (21). Na ocasião, as legendas também lançaram uma plataforma digital em que é possível enviar sugestões com base no documento.

O ex-senador reclamou com Aloizio Mercadante, atual presidente da Fundação Perseu Abramo e coordenador do programa de governo de Lula, por não ter sido convidado para a reunião de lançamento - e aproveitou para reivindicar a inclusão da pauta de sua vida - a renda básica da cidadania - no documento.

Mercadante afirmou que Suplicy seria convidado para próximos passos da construção do programa. Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que a pauta levantada pelo parlamentar é correta e que espera que, "se Deus quiser", o Brasil um dia terá uma política tal como a defendida por ele.

Leia também:
- Eleições 2022: Combater fome e miséria é central, diz presidenta do PT
- Comissão do Senado convida Paulo Guedes e Adolfo Sachsida para falar sobre alta dos combustíveis

Ao contrário da reclamação que Suplicy pode fazer supor, o documento com as diretrizes para a formulação de propostas para o programa de governo faz menção à renda básica da cidadania.

No ponto 20, parte do eixo "Desenvolvimento Social e Garantia de Direitos", há uma menção expressa à ideia, ao defender a retomada com atualizações do Bolsa Família.

"Um programa que, orientado por princípios de cobertura crescente, baseados em patamares adequados de renda, viabilizará a transição por etapas, no rumo de um sistema universal e uma renda básica de cidadania", diz o texto.

Enquanto discursava, Luiz Inácio Lula da Silva foi interrompido por militantes bolsonaristas, que foram retirados da sala. Antes do incidente, deu o tom das diretrizes.

"Em um programa de governo, a gente não pode ser irresponsável de propor coisa que a gente já sabe que não vai executar. Se você não fizer, você vai ser cobrado pela sua ineficiência, pela sua incompetência. Então, é importante que a gente coloque o menos para fazer o máximo", disse o pré-candidato à Presidễncia.