Reconta Aí Atualiza Aí Apagão no Amapá: Brasil é denunciado internacionalmente

Apagão no Amapá: Brasil é denunciado internacionalmente

O governo de Jair Bolsonaro foi denunciado na Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) por conta da ausência de respostas eficazes ao apagão que assola o estado do Amapá há dias. A iniciativa partiu da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (CONAQ) e pela Terra de Direitos, na última sexta-feira (20).

Leia também:
Apagão no Amapá: Não basta barrar a privatização, é preciso revertê-la

O documento – endereçado à secretária Executiva Adjunta da CIDH, Maria Claudia Pulido – enfoca os efeitos do apagão sobre comunidades quilombolas. De acordo com as entidades, são 258 comunidades afetadas.

“É uma denúncia somada a pedidos que, se forem admitidos, serão cobrados pela CIDH ao Estado brasileiro”, explica ao Reconta Aí Pedro Martins, assessor jurídico da Terra de Direitos.

O caos provocado pela falta de energia, segundo as organizações, já teve ao menos uma vítima fatal: Sergio Clei Almeida, 50 anos, presidente da comunidade quilombola de São Francisco do Matapi. Almeida morreu eletrocutado ao tentar restabelecer a energia para sua comunidade, localizada em Macapá.

“Como os danos permanecem, mesmo superado o apagão, a ideia é ter assistência às famílias. Então os pedidos continuarão pertinentes [até um posicionamento final da CIDH], complementa.

As duas entidades afirmam que a omissão viola direitos previstos na Convenção Americana de Direitos Humanos: à vida, integridade pessoal, desenvolvimento progressivo, liberdade de expressão e reunião – por conta da repressão violenta a protestos – e pedem providências imediatas que garantam o fornecimento de energia, água, alimentos e medicamentos.

Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial