Pular para o conteúdo principal

Apagão dos Apps: entregadores se mobilizam para exigir direitos trabalhistas

Imagem
Arquivo de Imagem
apagao dos apps

Em um mundo do trabalho cada vez mais precarizado, sem relações empregatícias formais e sem o amparo da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), os entregadores de aplicativos (Apps) buscam uma nova forma de solidariedade de classe. Porém, com seus clientes.

Em vídeo divulgado na internet, o entregador Galo pede a mobilização dos consumidores na luta contra a precarização do trabalho.

Sujeitos a acidentes de trânsito, sem previdência social, auxílio refeição e jornada de trabalho definida, os entregadores são atualmente uma parte muito vulnerável do mercado de trabalho. Sem ter vínculo formal com os restaurantes, com as plataformas ou com os clientes finais, essa classe - que aumenta a cada dia - tem dificuldades para protestar.

Após uma série de atos chamados "Breque dos Apps", os entregadores começaram a ser assediados por donos de restaurante, shoppings e outros para não aderirem às paralisações. Já as plataformas estão punindo os trabalhadores com a diminuição da pontuação - que buscam sempre mantê-las altas para conseguir mais entregas - paralisando seus serviços.

Contudo, o Breque dos Apps gerou uma organização inédita entre esses trabalhadores e também a resposta das plataformas à época. Assim, o movimento avançou buscando sensibilizar quem consome os seus serviços: os clientes finais.

Apoio ao Apagão dos Apps

Vereadoras e vereadores, deputadas e deputados aderiram nas redes sociais ao protesto. Porém, o movimento vai além das figuras políticas institucionais. Nesta sexta-feira (23), em meio às Olimpíadas, o Apagão dos Apps foi o terceiro assunto mais comentado no Twitter, com ampla margem de apoio.

A erosão dos direitos trabalhistas da classe média no último período gerou uma empatia muito forte com os entregadores, assim como o recorde de desemprego no País, que também pode ter colaborado para tal.

A solicitação para que os clientes não peçam entregas hoje e avaliem negativamente os aplicativos está forte. Ainda que não gere retorno imediato ou que não seja divulgado pelas plataformas, pode ser o início de uma forma de protesto muito potente.