Pular para o conteúdo principal

74ª reunião SBPC: Lula enfatiza realizações do seu governo e é ovacionado pela plateia

Imagem
Arquivo de Imagem
Lula Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência

Lula escolheu a História para começar seu discurso na 74ª reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) nesta quinta-feira (28). Segundo o ex-presidente e atual candidato à presidência da República, "O atual governo colocou o Brasil numa máquina do tempo rumo ao passado".

Contudo, o presidenciável - líder em intenção de votos nas pesquisas eleitorais - preferiu centrar sua fala nas no que fez pela área da Educação e da Ciência em seus dois mandatos e nas propostas que tem para um mandato futuro, caso seja eleito. Uma fala em consonância com o que a SBPC espera dos três candidatos à presidência da República melhores posicionados nas pesquisas eleitorais desta ano - Lula, Bolsonaro e Ciro Gomes, por ordem de preferência dos eleitores. Já que, como ressaltou Renato Janine Ribeiro, ex-ministro da Educação e atual presidente da entidade, "A SBPC representa politicamente a comunidade científica brasileira, mas não é partidária".

Lula foi interrompido diversas vezes por aplausos e palavras de apoio

"Da última vez que encontrei com os cientistas, eu estava muito feliz pelo que estava acontecendo na Ciência", relembrou Lula. Em primeiro lugar, o candidato parabenizou e agradeceu aos pesquisadores, professores, estudantes e cientistas pelos serviços prestados ao País durante a pandemia, "mesmo em um contexto tão adverso", frisou.

Segundo ele, seus mandatos foram marcados pela criação de um projeto na área da Ciência no Brasil, financiado por um Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da Ciência, que garantiu programas como o Ciência sem Fronteiras e a construção e ampliação de universidades e institutos federais. Com valores corrigidos, o PAC da Ciência, afirmou, investiu R$ 70 bilhões entre 2007 e 2010 - um investimento que teria continuidade com a ex-presidenta Dilma Rousseff, caso não tivesse sido vítima de um golpe. Lula relembrou que sob os governos petistas, de 2012 a 2015, o investimento em Ciência, Tecnologia e Inovação passou de 0,88% do PIB em 2002 para 1,24% em 2013, o melhor resultado de todos os tempos.

Lula promete fazer um "revogaço" dos sigilos de 100 anos

A primeira medida contra um governo corrupto e negacionista, segundo Lula, deve ser um "revogaço" sobre a série de sigilos de 100 anos decretados por Bolsonaro. O presidenciável afirmou que pretende novamente abrir as informações do governo à população, como foi com a criação dos Portais da Transparência e a Lei de Acesso à Informação (LAI).

E retomando as realizações anteriores, Lula prometeu aos cientistas:

  • Reconstruir o sistema nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, conectando as agências de todas as esferas de governo ao fomento de ações em todas as regiões do País;
  • Realizar a 5ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação;
  • Recompor o orçamento das agências de fomento, com financiamento vindo dos royalties do Pré-sal;
  • Realizar um programa emergencial de reinclusão da Educação em todos os níveis;
  • Fomentar a inclusão digital;
  • Apoiar iniciativas de inovação no ambiente empresarial e industrial;
  • Elevação da competitividade da indústria;
  • Promover programas de substituição de importações;
  • Promover ações de popularização da Ciência;
  • Incentivar pesquisas científicas conectadas aos biomas brasileiros, com destaque para a criação de sistemas produtivos socialmente justos, economicamente sustentáveis;
  • Inclusão socioprodutiva de povos indígenas e populações tradicionais;
  • Reverter a fuga de cérebros;
  • Denfender que a soberania nacional e o Meio Ambiente caminhem juntos e orientados para a ampliação da cidadania.

O ex-presidente ainda aposentou mais propostas cujo ensejo é basicamente que a Ciência caminhe junto a todas as área de governo. "Quero um país em que a Ciência seja reconhecida como o que é de fato, uma ferramenta para o progresso da humanidade e que nao seja um privilégio de poucos, mas uma ferramenta de todos",ressaltou.

Por fim, Lula afirmou que sua ambição frente à presidência do Brasil hoje é maior: "Em 2003 eu disse no meu discurso de posse que se ao terminar meu mandato, cada brasileiro e cada brasileira fizessem três refeições por dia, eu teria feito a obra da minha vida. Agora quero mais, quero trabalhar e ganhar um salário respeitável, eu quero educação, lazer, cultura, quero que o povo trabalhador possa viajar de avião".