Pular para o conteúdo principal

7 de Setembro: Teorias da conspiração de grupos bolsonaristas são ridicularizadas na internet

Imagem
Arquivo de Imagem
bandeira sete de setembro

QAnon, máscara, morte do presidente Putin, dublê do Bill Gates e da Rainha Elizabeth e, a já batida, ofensiva comunista. A preparação das manifestações antidemocráticas do dia 7 de setembro nos grupos bolsonaristas está repleta de teorias da conspiração.

Além dos aspectos práticos, como a disponibilização de ônibus gratuítos para Brasília e a oferta de comida aos participantes que ficarem acampados na capital do País - com financiamento de empresários nunca revelados - e o espalhamento de notícias falsas, os grupos de WhatsApp e Telegram bolsonaristas também tratam de mais coisas. Entre elas, um calendário obscuro ao qual poucos têm acesso, e que é revelado à conta-gotas para os participantes.

VEJA TAMBÉM:
- Mais de 80 atos em defesa da democracia estão marcados para 7 de setembro
- WhatsApp: o que querem os grupos bolsonaristas no 7 de Setembro: "Intervenção militar com Bolsonaro no Poder"

De acordo com esse calendário-oráculo misterioso, certas situações são orquestradas por poderosos fora do establishment - das estruturas do Estado - para punir políticos, artistas e personalidades que querem dominar o mundo e que comentem rituais satânicos.

Porém, fora dos grupos de seguidores de Bolsonaro, essas teorias estão sendo ridicularizadas pela internet, além de desmentidas exaustivamente por agências de checagem, como a Aos Fatos e Boatos.Org. O perfil do Twitter @printsbolsonaristas reúne algumas das imagens mais curiosas desses grupos - os mais de 26,1 mil seguidores manifestam suas emoções sobre o conteúdo.

As manifestções vão do riso à incredulidade, passando pela tristeza de ver uma parcela da população tão alienada da realidade objetiva. Outros buscam na exposição dessa realidade explicações para o que seus pais, irmãos e outros parentes bolsonaristas estão pensando. Mas a verdade é que, ao menos que se domine o léxico e as datas apontadas, tudo parece uma mentira de mau gosto, ou talvez a realidade esteja dura demais para aceitar que essa loucura já faz parte do dia a dia do Brasil.