Pular para o conteúdo principal

4 entre os 10 bancos mais rentáveis do mundo são brasileiros. Isso é bom?

Imagem
Arquivo de Imagem
Entre os 10 bancos mais rentáveis do mundo 4 são brasileiros

Um levantamento realizado pela empresa de análise de dados financeiros Economatica mostrou que quatro entre os dez bancos mais rentáveis do mundo estão no Brasil.

Entre os grandes bancos brasileiros, o ranking conta com o Santander Brasil, Itaú Unibanco, Banco do Brasil e Bradesco.

Na lista dos bancos mais rentáveis do mundo, estão:

  1. Capital One Financial Corp (EUA)
  2. Ally Financial Inc (EUA)
  3. Santander Brasil (Brasil)
  4. Royal Bank of Canada (Canadá)
  5. Itaú Unibanco (Brasil)
  6. Jpmorgan Chase & Co (EUA)
  7. Banco do Brasil (Brasil)
  8. Bradesco (Brasil)
  9. Bank of Nova Scotia (Canadá)
  10. SVB Financial Group (EUA)

Na avaliação do economista e diretor do Reconta Aí, Sérgio Mendonça, a altíssima rentabilidade dos bancos mostra que eles estão 'lucrando muito' em cima da população: "Isso significa extrair/transferir recursos da sociedade (pessoas e empresas) para os acionistas dos bancos em uma escala absurda". Em outras palavras, uma ação de Robin Hood às avessas", disse.

Segundo Mendonça, a rentabilidade dos bancos brasileiros ser grande não é uma novidade: "Ainda que tenha havido uma queda na rentabilidade dos bancos brasileiros no período analisado, ela passou de uma rentabilidade 'indecente' para uma rentabilidade 'indecorosa'", disse o economista.

A presença do Banco do Brasil nessa lista é preocupante, afirma Mendonça

Entre os quatro que envolvem a lista, o mais preocupante para o Brasil, segundo Mendonça, é a presença do Banco do Brasil. O Banco Público de economia mista não deveria ter a rentabilidade como um dos principais objetivos de ação, mas sim a inclusão bancária da população e o auxílio ao desenvolvimento do País. Segundo Mendonça, a presença do BB na lista desvirtua o seu papel público.

Outro alerta vem de um dos cinco maiores bancos brasilerios, a Caixa Econômica Federal. A instiutição, também pública, poderia estar na lista: "A Caixa só não está na lista porque não é uma empresa de capital aberto e não entrou no ranking analisado", esclarece Mendonça.

Ou seja, a Caixa é mais uma instituição financeira pública, cujo objetivo não deveria ser a rentabilidade, e está agindo de forma incompatível com seu caráter. Um direcionamento do governo federal sob Bolsonaro, levado a cabo pela gestão de Pedro Guimarães.