Pular para o conteúdo principal

32º CNFBB: "Brasil era mais diverso e éramos felizes", diz Jean Wyllys

Imagem
Arquivo de Imagem
bb - foto Agência Brasil

O ex-deputado federal Jean Wyllys participou neste domingo (8) do 32ª Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil (CNFBB) para debater caminhos para construir um Banco Público que tenha uma de suas marcas: a diversidade.

Para o pesquisador, a discussão passa pelo caráter do governo: "Estava-se se construindo um Brasil plural e diverso. Quando o Brasil era mais diverso, nós éramos mais felizes e mais prósperos economicamente"

Wyllys, ao falar de um "Brasil plural" identificou esse período com os governos Lula e Dilma. Um exemplo disso foram políticas sociais e internas promovidas pelo Banco do Brasil para promover a diversidade de gênero, racial e sexual.

VEJA TAMBÉM:
- 37º Conecef: "Caixa está sendo vítima de uma fraude", diz Erika Kokay
- Bancários reforçam luta em defesa das instituições públicas

Entretanto, os efeitos da crise econômica iniciada em 2008, que chegaram ao País tardiamente, foram aproveitadas por "aqueles que não queriam pagar nada pela crise" para reverter essas posições.

"É muito fácil que velhos preconceitos, velhas falsas certezas que estão dentro de nós, comecem a ser manipulados por determinados grupos políticos para culpar algumas pessoas pelo que estamos vivendo. Apontar supostos culpados pela sua infelicidade e fracasso. Isso aconteceu no Brasil", disse. "Os culpados apontados eram os petistas, a esquerda, os gays, os quilombolas, as mulheres. Isso vai afetar todas as áreas, incluindo o Banco do Brasil".

Com o governo Bolsonaro, por exemplo, propagandas do Banco do Brasil com a presença de integrantes da população LGBT tiveram sua divulgação vetada.

O Congresso foi aberto com homenagens a Jefferson Boava, presidente Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul e que faleceu com 56 anos no último dia 26 de junho vítima de covid-19.