Pular para o conteúdo principal

2021 tem a maior inflação registrada desde 2015

Imagem
Arquivo de Imagem
inflação

Foi divulgado nesta quinta-feira (23) o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), considerado uma prévia da inflação oficial do País. O valor medido pelo índice do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ficou em 10,42%, a maior taxa para um ano desde 2015, quando o indicador atingiu 10,71%. Para efeito de comparação, no ano passado - 2020 - a inflação foi de 4,23%.

De acordo com o IBGE, dentre os grupos que mais contribuíram com o aumento geral da inflação estão os transportes (21,35%), a habitação (14,67%) e os artigos de residência (12,18%). Já o grupo de alimentos e bebidas, que teve um grande aumento no início de 2021, fechou o ano com aumento de 8,68%.

Leia também
- Imposto de Renda: Receita Federal abre consulta a lote residual de restituição

Conforme explica o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) em seu Boletim de Conjuntura de dezembro, a alta da inflação penalizou de forma desigual as diferentes classes sociais.

Isso aconteceu, segundo o Dieese, porque: "Não é apenas a alimentação que pesa no custo de vida das famílias de menor renda. As sucessivas altas nos valores da energia elétrica e do botijão de gás, que acumularam taxas de 30,3% e 37,9%, respectivamente, também trazem grandes desafios à sobrevivência da população mais carente".

A inflação em dezembro

Além da divulgação da prévia da inflação do ano de 2021, o IPCA-15 também trouxe a prévia da inflação do mês de dezembro. O último mês de 2021 trouxe um aumento do custo de vida na ordem de 0,78%. O valor é menor do que o registrado em novembro, 1,17%, e também em relação à dezembro do ano anterior - 2020 - que ficou em 1,06%.

Os aumentos de preço em dezembro foram quase generalizados, com excessão dos grupos de saúde e cuidados pessoais, que apresentou queda de - 0,73% - e educação, cujos preços se mantiveram estáveis. Na outra ponta, os principais aumentos ocorreram no grupo dos transportes. O preço dos combustíveis, ficou em 3,40%. Etanol, gasolina e diesel subiram respectivamente, 4,54%, 3,38% e 2,22%.

Na habitação, o maior impacto ficou a cargo do aumento da conta de luz (0,96%) e no grupo alimentação a alta se deveu principalmente ao café - que subiu 9,10% em dezembro - as frutas (4,10%), as carnes (0,90%) e a cebola (19,40%).

Com informações da Agência Brasil e do IBGE.