O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), formalmente a inflação oficial do País, caiu 0,31% em abril, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), instituição responsável pela sua mensuração.

É a maior retração desde agosto de 1998, quando foi registrado recuo de 0,51%. O índice detectado pelo IBGE também é a primeira deflação desde setembro de 2019, quando houve variação de -0,04%.

Em 2020, o IPCA tem uma alta de 0,22% acumulada. Quando levados em conta os últimos 12 anos, a inflação é de 2,40%.

De nove segmentos de produtos e serviços que compõem o IPCA, seis apresentaram deflação no mês passado.

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, seis tiveram deflação em abril, refletindo a baixa demanda e a fraqueza da economia neste momento pandemia, com os brasileiros consumindo menos quer seja por queda da renda ou por medo de recessão.

De acordo com o IBGE, o principal fator para a deflação é a queda no preço dos combustíveis. A gasolina, por exemplo, recuou 9,31% em abril.

“O resultado de abril foi muito influenciado pela série de reduções nos preços dos combustíveis, principalmente da gasolina, que caiu bastante e puxou o índice para baixo”, sintetiza o gerente da pesquisa, Pedro Kislanov. Além da queda do preço internacional do petróleo, ele destaca também a diminuição da demanda interna, relacionada à pandemia do novo coronavírus.

De outro lado, os preços do grupo alimentação e bebidas continuam se elevando. Em março, o segmento teve elevação de 1,40%. Em abril, o aumento foi de 2,24%.