Momento é ideal para reforçar a importância da Caixa 100% pública e lutar contra a venda de áreas estratégicas do Banco, como a Caixa Seguridade

A Caixa confirmou, nesta quinta-feira (12), que está adiando a oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da área de seguros e previdência. O adiamento veio após análise do mercado mundial, que está passando por grande instabilidade.

O presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa (Fenae), Jair Pedro Ferreira, alerta que é preciso aproveitar esse tempo para reforçar ainda mais a mobilização em defesa da Caixa 100% pública e contra a venda de áreas estratégicas do Banco.

“O IPO da Caixa Seguridade abre forte precedente para a entrega da própria Caixa à iniciativa privada”, explica Jair. Com a venda de ações da Caixa Seguridade o presidente do Banco, Pedro Guimarães, esperava arrecadar mais de US$ 10 bilhões.

A representante dos empregados no Conselho de Administração da Caixa, Rita Serrano, falou sobre o assunto em seu podcast desta semana. De acordo com ela, a interrupção no processo é positiva na medida em que permite um período maior de tempo para discutir o tema.

Rita também destaca a mudança de opinião de comentaristas e analistas econômicos. Antes eles insistiam nas vendas das estatais, mas agora falam da importância delas para minimizar os impactos da crise.

“Não é apenas o coronavírus o responsável. Há uma política recessiva em curso adotada pelo atual governo, com menos investimentos sociais e menor geração de empregos, há a queda no PIB. E agora os mesmos que falavam em vender estatais destacam sua importância numa política econômica anticíclica para sair dessa conjuntura”, compara.

Com informações da Fenae e Comitê.