Instituições financeiras já anunciaram as condições para a contratação da antecipação da restituição. Mas é preciso cuidado na hora de decidir por mais essa dívida.

O prazo para entregar a declaração do Imposto de Renda (IR) Pessoa Física 2020 para a Receita Federal começou a correr nesta segunda-feira (2). Aproveitando a oportunidade, os cinco maiores bancos brasileiros já começam a oferecer aos seus clientes linha de crédito para antecipar o valor da restituição do IR. Mas será que vale a pena?

Para receber com antecedência o valor que será pago pela Receita Federal, o consumidor precisa fazer um empréstimo junto a sua instituição financeira. Cada banco estabelece suas regras para liberar esse crédito na conta do seu cliente, mas a mais importante delas é a taxa de juros que será cobrada.

Mas é preciso cuidado na hora de decidir por mais essa dívida. De acordo com o economista e conselheiro do Conselho Federal de Economia (Cofecon), Fernando de Aquino, a taxa de juros desse tipo de empréstimo ainda é alta em relação a outras alternativas existentes no mercado financeiro.

“A taxa é maior do que o consignado com desconto em folha de pagamento, por exemplo. Mas pode ser uma alternativa para recomposição de alguns tipos de dívidas onde as taxas de juros são mais altas”, explica o economista.

Para quem está em dívida com o cartão de crédito rotativo ou com o cheque especial, a antecipação da restituição acaba sendo uma opção mais atrativa. O economista explica que isso acontece porque os juros cobrados pelos bancos nessas modalidades são altíssimos. No cartão de crédito, a taxa fechou dezembro de 2019 em 293,9%.

Aquino alerta que para conseguir o crédito com a instituição financeira, é preciso ter a certeza de que a declaração de IR está correta. “Na data acordada com o cliente, o banco vai cobrar o valor antecipado. Então, é importante ter certeza de que a restituição vá ser concedida pela Receita”.

restituição

Condições para antecipação da restituição

As taxas de juros para essa modalidade crédito variam entre 1,49% e 1,9%. No geral, os empréstimos antecipam até 100% do valor a ser recebido pelo contribuinte. O pagamento é feito em parcela única no dia do recebimento da restituição ou no vencimento do contrato com a instituição financeira.

No Banco do Brasil, o crédito é de até R$ 20 mil, com juros de 1,49%. De acordo com o banco, a linha de crédito pode ser contratada pelo aplicativo ou internet banking. Já a Caixa Econômica limita o crédito em até 75% do valor da restituição do IR. O valor do empréstimo varia entre R$ 610 e R$ 30 mil, mas depende de aprovação.

Santander e Bradesco também oferecem crédito de até 100% aos seus clientes. As taxas de juros cobradas pelos bancos começam em 1,69% e 1,79%, respectivamente. O Itaú também disponibiliza esse serviço aos seus correntistas, mas as condições para a contratação da linha de crédito não foram divulgadas.