Bancos Itaú, Bradesco e Santander fecharam 430 agências e demitiram quase 7 mil pessoas em 2019

bancos
Imagem: JF Diorio/Estadão, Daniel Teixeira/Estadão e Edgar Garrido/Reuters

O Brasil está em crise, a economia está estagnada, mas os bancos estão alcançando lucros recordes. Nesta segunda-feira (10), o Itaú divulgou um ganho de R$ 28,4 bilhões em 2019. Esse foi o maior lucro da história entre os bancos brasileiros, conforme levantamento da empresa de informações financeiras Economatica.

Na contramão desses ganhos históricos, os bancos Itaú, Bradesco e Santander fecharam 430 agências e demitiram quase 7 mil pessoas em 2019. Reportagem do jornal O Estado de S.Paulo explica que o fechamento das agência se deu pela maior concorrência com fintechs e pressões regulatórias. Já as demissões foram causadas pelo crescimento das operações digitais.

O jornal destaca que a expectativa dessas instituições é de que “o trabalho duro feito do lado das despesas ajude a compensar, em 2020, menores margens financeiras e crescimento contido nas receitas de serviços e tarifas”.

Isto porque os ganhos dos grandes bancos têm sido impactados pelo aumento do número de players no setor com a multiplicação das fintechs e ainda mudanças regulatória, como a do cheque especial, que limitou os juros mensais em 8% desde o mês de janeiro.

O que os bancos falam?

O Itaú explicou que o contínuo investimento em tecnologia permitiu ações com foco em eficiência de custos, como o encerramento de agências e o programa de desligamento voluntário. Isso levou ao aumento de apenas 2,5% nas despesas não decorrentes de juros em relação ao ano anterior.

O Bradesco seguiu a mesma direção, de acordo com o jornal. Nesse caso, ele não conseguiu cumprir sua meta do lado das despesas, que cresceram 7,2% no ano passado. Para 2020, a meta do banco é fechar outras 300 agências.

Apesar de ter inaugurado 45 novas agências em 2019, o Santander enxugou o seu quadro de colaboradores.