Taxa da inflação ficou acima do centro meta de 4,25%, de acordo com o IBGE

Inflação fecha 2019 em 4,31%
Foto: Tânia Rêgo/ABr

A inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), fechou o ano de 2019 em 4,31%. O resultado, divulgado nesta sexta-feira (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), aponta que a taxa ficou acima do centro meta de 4,25%, mas dentro do limite de variação de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo, definido pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Ou seja, a inflação poderia ficar entre 2,75% e 5,75%.

Somente em dezembro, o IPCA subiu 1,15%, enquanto, em novembro, havia registrado 0,51%. Este foi o maior resultado para um mês de dezembro desde 2002, quando o IPCA ficou em 2,10%.

Fonte: IBGE

Alimentos e bebidas foram os que mais pesaram no bolso dos brasileiros no ano passado. De acordo com o gerente do IPCA, Pedro Kislanov, a alta de 6,37% no grupo foi puxada, principalmente, pelas carnes. “A variação acumulada no ano foi de 32,40%, com a maior parte do aumento nos preços das carnes concentrada no último bimestre (27,61%)”, disse.

Dentre os grupos pesquisados, saúde e cuidados pessoais (5,41%), despesas pessoais (4,67%), educação (4,75%) e habitação (3,9%) foram os que mais engoliram o orçamento. O grupo dos transportes (3,57%) também contribuiu para a alta do índice, explicado pelo aumento dos combustíveis e das passagens aéreas.

Inflação pelo Brasil

Belém foi a capital que acumulou maior inflação em 2019 (5,51%), seguida por Fortaleza (5,01%), Campo Grande (4,65%), São Paulo (4,60%) e Goiânia (4,37%).

Já a menor taxa de inflação foi observada em Vitória (3,29%). Recife (3,71%), em Brasília (3,76%), Rio Branco (3,82%) e Salvador (3,93%) também ficaram abaixo da média nacional.

O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980, se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte, e abrange dez regiões metropolitanas do País, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e de Brasília.

Inflação para famílias mais pobres

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou nesta segunda-feira (6) o Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1 (IPC-C1), que mede a inflação para famílias com renda até 2,5 salários mínimos. Em dezembro ela avançou para 0,93% e fechou 2019 com alta de 4,60%, superior aos 4,17% registrados no ano anterior.

A pesquisa aponta que o que a carne bovina – que subiu de 7,56% para 16,02% – e a gasolina (1,11% para 3,45%) foram os que mais pesaram no orçamento das famílias.