Um pouco cima do que esperava o mercado financeiro, o aumento de 0,6% do PIB no terceiro trimestre foi destaque na mídia

Ninguém esperava nada do PIB, e não é que não veio mesmo?

O Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 0,6% no 3º trimestre do ano, conforme divulgado hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado veio acima do esperado pelo mercado financeiro. Economistas consultados pela Bloomberg, por exemplo, previam crescimento de 0,4% na comparação trimestral, bem como os da Reuters.

PIB Ascensão

A base de comparação utilizada na divulgação do PIB foi o resultado do terceiro trimestre de 2019 em relação ao anterior. Com isso, foi possível verificar uma leve aceleração do PIB. Algo que se repete quando comparado com o terceiro trimestre de 2018, quando ficou em 0,5%.

A Formação Bruta de Capital Fixo avançou 2,9% no terceiro trimestre de 2019, seu oitavo resultado positivo após quatorze trimestres de recuo.

 A maior alta foi da Agropecuária com crescimento de 1,3%, seguida pela Indústria (0,8%) e pelos Serviços (0,4%).

O crescimento na Indústria se deve às Indústrias Extrativas (alta de 12,0%, puxada pelo crescimento da extração de petróleo) e à Construção (1,3%). 

No entanto, recuaram no trimestre Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos (-0,9%) e Indústrias de Transformação (-1,0%).

Segundo o economista Felipe Miranda, a queda dos índices da Indústria de Transformação é uma importante amostra do fenômeno de desindustrialização. Ele ainda completa que é possível falar na desindustrialização sobretudo se a queda ocorrer por sucessivos períodos.

Queda na exportação

Nos Serviços, os resultados positivos foram em Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (1,2%), Comércio (1,1%), Informação e comunicação (1,1%), Já os recuos foram nas atividades de Transporte, armazenagem e correio (-0,1%) e Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (-0,6%).

No setor externo, as Exportações de Bens e Serviços recuaram 2,8%, enquanto as Importações de Bens e Serviços cresceram 2,9% na mesma comparação.