O Banco do Brasil completa 211 anos neste sábado (12). Fundado em 12 de outubro de 1808, o BB foi a primeira instituição bancária a operar no País.

O Banco do Brasil está muito presente na vida dos brasileiros. É uma das maiores instituições financeiras da América Latina e cumpre o importante papel de levar cidadania bancária aos rincões do País.

De acordo com dados do Banco Central, possui 4.726 agências e 1.068 postos de atendimento. No segundo trimestre de 2019, teve um lucro de mais de R$ 4 bilhões. O banco também abriga 96,6 mil empregados.

Um BB para cada brasileiro

No entanto, sua importância vai muito além disso.  O BB financia moradores do Semiárido; custeia a agricultura familiar agroecológica; apoia investimentos em inovação tecnológica atrelada à sustentabilidade ambiental; financia a construção de armazéns; apoia a recuperação dos solos, possui uma linha de crédito para as seringueiras; financia a energia renovável; subsidia ações da Defesa Civil em situações de calamidade; auxilia os municípios e os estados, tem uma linha de crédito para financiar caminhões novos para produtores rurais, financia empreendimentos do Minha Casa Minha Vida, o Fies e concede o Crédito Acessibilidade, voltado para as Pessoas com Deficiência. Isso para citar apenas alguns exemplos.

Seu papel no financiamento de pequenos agricultores é fundamental para o Brasil. Hoje, a agricultura familiar representa 70% do que é colocado na mesa dos brasileiros. Desse total, 60% são financiados pelo Banco do Brasil.

Não Mexe no Meu BB

Apesar disso, o banco tem sofrido ameaças constantes de privatização por parte do governo Jair Bolsonaro, assim como todas as empresas públicas brasileiras. Esse plano é seguido pelo presidente do banco, Rubem Novaes, um conhecido liberal.

A fórmula da privatização se dá por meio de descrédito e desestruturação da instituição, do fechamento de agências e da diminuição do quadro de funcionários. E é claro que isso reflete negativamente na vida da população.

Leia também: Mais um episódio de censura no Banco do Brasil

Para defender a instituição, garantir que o banco continue público e cumpra seu papel social, os empregados lançaram a campanha #NãoMexenoMeuBB, por meio da Associação Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil (ANABB).

Ernesto Izumi, Diretor Executivo do Sindicato dos Bancários de SP, explica que com a privatização do BB, o financiamento agrícola para pequenos e médios agricultores ficaria seriamente comprometido. “Sem o BB, o crédito agrícola ficará mais caro. Os outros bancos que já poderiam fazer crédito mais barato preferem concentrar em menos operações e em poucas agroindústrias. Não há país no mundo que não dependa de crédito subsidiado e o Banco do Brasil faz esse papel”, declarou.

Nesses mais de 200 anos, a história do Banco se misturou com a história do Brasil de forma indissociável. O BB se consagrou como uma das instituições mais importantes do País, que é referência para a população. Desestruturá-lo para facilitar sua venda certamente é um erro e um desrespeito com a sociedade.