Luiz Antonio França, presidente da Associação Brasileira das Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), fez a fala em evento de lançamento dos Indicadores de Registro Imobiliário do Estado de São Paulo.

“O governo acha que o subsídio é uma jabuticaba, algo que só tem no Brasil. Nos Estados Unidos, há subsídios para a baixa renda e para a classe média na compra de imóveis. Em algumas coisas, o governo não quer olhar para o mundo, para que adotemos aqui as boas práticas”, disse França.

Não é novidade para os empresários da construção civil que o programa está em crise. Em 2020, os recursos para o MCMV devem ser 50% menores. Além disso, as construtoras já reclamam do atraso no repasse de recursos.

Como solução, o governo estuda financiar as faixas 1,5 e 2 do programa somente com recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Para Rita Serrano, que é conselheira eleita do Conselho de Administração da Caixa, isso quer dizer que a moradia popular não é mais prioridade do governo.

“Colocar mais essa tarefa para uso do fundo é o governo definir que a geração de moradias para a população carente não é mais sua prioridade”, diz.