A taxa Selic caiu, mas ninguém viu! Você sabe por que isso acontece? Vem com a gente que a gente reconta.

A taxa Selic, tão falada nos meios de comunicação, nada mais é do que a taxa básica de juros da economia no Brasil. A sigla se refere a Sistema Especial de Liquidação e Custódia. Ela é utilizada pelos bancos porque ele realizam suas operações financeiras baseadas em títulos públicos federais. Seu valor é obtido por meio do cálculo da taxa média ponderada dos juros praticados pelas instituições financeiras.

Com a queda da taxa Selic, os bancos lucram muito! Sabe como? Basta que eles demorem o maior tempo possível para repassar essa queda nos empréstimos que disponibilizam aos seus clientes.

Quanto mais tempo os bancos levam para reduzir suas taxas de empréstimo, mais eles lucram, pois captam recursos com taxas menores (pela queda taxa básica, a Selic).

Porém, eles continuam emprestando aos clientes com as mesmas taxas que vinham praticando, ou as diminuem mais lentamente. Isso faz com que a margem bruta de intermediação – spread – cresça. De outro lado, os bancos têm um mix de taxas em várias linhas de crédito. Ou seja, mesmo que eles reduzam algumas taxas em algumas linhas, eles podem aumentar em outras.

Atualmente houve aumento nas taxas do crédito rotativo no cartão de crédito. Mesmo assim, a tendência é que as taxas de empréstimo, bem lentamente, cairão. Isso é reflexo de um longo processo que reflete o poder de oligopólio dos bancos.

Como a esperança é a última que morre, vale a pena sonhar: será que um dia teremos no Brasil taxas de crédito civilizadas? Será?