Em 2016, ainda durante o governo de Michel Temer, o Congresso Nacional aprovou a Emenda Constitucional 95, chamada de “PEC do Teto de Gastos” pelos apoiadores e de “PEC da Morte” pelos opositores.

Muita gente nem se lembra disso, mas essa medida impacta diretamente na vida de todos nós. Na prática, ela limita os gastos do governo ao crescimento da inflação. Parece bom, mas não é. Com isso, diminuíram muito os investimentos em setores caros à população brasileira, como Educação, Saúde e Segurança Pública.

É importante lembrar que a medida limita os gastos, mas a população que precisa de suporte do Estado, que usa os serviços de Saúde, Educação, Segurança, entre outros, não para de crescer. No fim, existe um descompasso.

A partir de 2020, o Brasil vai parar

Mas se já está ruim, espere. Em 2020 tudo tende a piorar. Isso porque a economia não vem mostrando sinais de melhora, apesar de todas as promessas de Bolsonaro e Paulo Guedes, e o arrocho deve ser ainda maior nos próximos anos, se tudo permanecer como está. A produção de conhecimento científico no Brasil, por exemplo, já está paralisada. Falta dinheiro para pagar conta de luz nos quartéis e tem gente sugerindo até reduzir o salário de servidores públicos.

via GIPHY

É apagão, é Mad Max

A proposta de Orçamento para 2020 enviada por Bolsonaro dá uma ideia do problema. Haverá um apagão da máquina pública (aquilo que os americanos chamam de shut down), se for levada em frente. Se isso acontecer, a tendência é que a batata quente termine na mão do Congresso, que pode ser obrigado a tomar pra si a discussão.

Diante desse cenário de Mad Max, já começam a surgir os pedidos de flexibilização dos gastos do governo, capitaneados segundo a grande imprensa, pelos militares e pela Casa Civil.

via GIPHY

Bolsonaro, ao ser questionado, afirmou que a “questão é matemática”. Ou seja, as contas não fecham, e não vão fechar muito mais, e ele, a princípio, apoiaria uma revisão na PEC. Mas, como é costumeiro no seu governo, o mercado ficou nervoso e ele já voltou atrás.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, também defende a manutenção do Teto como está, e diz que é preciso cortar gastos. Para ele, “o teto está sólido. Não adianta aumentar gasto se não reduzir despesa, é besteira. Vai ter que aumentar imposto e aumentar multa e dívida”, afirmou.

Mas peraí, assiste aqui rapidinho esse vídeo pra ver como são divididas as despesas do governo:

Tem que rever o teto de gastos

Retomando: o problema para o Bolsonaro é que esse aperto impede o investimento em programas de governo e em obras, ou seja, compromete o seu legado. Já o problema para a população é que, historicamente, os mais fragilizados, os que sofrem mais e primeiro são os que dependem mais do aporte do Estado.

Com a proposta de Orçamento para o próximo ano, Bolsonaro já sinalizou que a tesoura vai pesar mais pra cima dos programas sociais: os que mais sofrerão são o “Minha Casa, Minha Vida” e o “Bolsa-Família”.

Mas o que fazer? O debate ainda está prematuro e as especulações são muitas, no entanto, não é temeroso afirmar que o corte vai pesar em cima dos gastos obrigatórios.

Servidor, o escolhido foi você!

Como a Reforma da Previdência já está praticamente aprovada, quem entra na mira é o funcionalismo público. É muito provável que o governo a princípio congele os salários e, posteriormente, trabalhe com medidas como o fim da estabilidade para os servidores, a redução de jornada e o corte de salários.

via GIPHY

Para muita gente, alguns que, inclusive são apoiadores do governo, a saída para evitar que o país pare completamente é mexer na Emenda Constitucional 95. Caso contrário, vai dar ruim pra todo mundo, principalmente para os mais pobres.

Para o economista Sérgio Mendonça, “tem que rever a PEC dos gastos. Tem gente do lado deles já falando nisso, mas pisando em ovos. O governo e a sociedade estão numa baita enrascada, porque a máquina pública vai parar, e todo mundo vai sofrer”.

Como dissemos, o debate ainda é prematuro e vale pegar a pipoca pra assistir. A Bolsonaro, nosso conselho – ouça Fernando Henrique Cardoso, lá em 2002: “O mercado fica nervoso? Dá calmante, passa. O que não pode deixar é o paciente ficar todo ele prejudicado por aquele dia de nervosismo, tem que manter o equilíbrio das coisas”. A ver.

via GIPHY