Empregados da Caixa Econômica Federal de todo o país se unem nesta quarta (14) para o Dia Nacional em Defesa do Saúde Caixa, o Programa de Assistência Médica Supletiva oferecido aos empregados.


A atual diretoria da Caixa Econômica, obrigada por ação judicial, convocou neste ano duas mil pessoas com deficiência (PCD) aprovadas no concurso de 2014. No entanto, descumpre acordo coletivo ao não inclui-los dentre os beneficiários do Saúde Caixa.


Os bancários também se posicionam contra a resolução 23 da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União (CGPAR 23), que estabelece um teto para o custeio pelas empresas estatais federais sobre benefícios de assistência à saúde dos empregados. O banco alega que a resolução impede a inclusão dos PCD no plano.

Material de divulgação do Dia Nacional em Defesa do Saúde Caixa

Fabiana Proscholdt, dirigente do Sindicato dos Bancários de Brasília e da CONTRAF-CUT reforça a importância da conquista do Saúde Caixa e que ele seja para todos, “inclusive para os PCD contratados neste momento. A CONTRAF tem brigado muito para que a Caixa cumpra o acordo coletivo. E reforçamos a necessidade de mobilização dos empregados”.

Dionísio Reis, coordenador da Comissão Executiva dos Empregados da Caixa, diz que a Caixa está usando a contratação dos PCD de forma demagógica. “A contratação dos PCD é uma conquista dos empregados da Caixa. O banco está fazendo essas contratações de forma demagógica e não tem estrutura para atender esses novos funcionários nas agências. Pior que isso, os PCD entram sem plano de saúde porque a Caixa está descumprindo acordo coletivo. Essa denúncia tem que ser feita de forma explícita pra sociedade”, declarou.

Chicão, do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, convoca todos os empregados da Caixa a aderirem o protesto. “Por um Saúde Caixa para todas as empregadas e empregados. É um direito que conquistamos e está garantido no nosso acordo coletivo”, afirma.