Tragédia ocorreu nos EUA, no dia 7, no estado de Washington, por falta de dinheiro para cuidados médicos. Em notícia divulgada pelo jornal The Washington Post, o homem de 77 anos assassinou sua esposa de 76 com um tiro, avisou a polícia e suicidou-se em seguida.

Brian S. Jones e Patricia A. Whitney-Jones são os nomes do casal encontrado morto em sua própria casa na quarta-feira passada, dia 7. Marido e esposa estavam deitados juntos em um quarto da casa onde residiam, na cidade de Ferndale.

Idoso matou sua esposa e se suicidou por não poder pagar cuidados médicos adequados a ela.
O mundo caminha para que cenas como essas sejam cada vez menos comuns.

No imóvel, havia anotações sobre a dificuldade do casal em arcar com o tratamento médico de Patricia A. Whitney-Jones no país em que não há saúde pública universal. De acordo com o The Washington Post, a mulher passava por problemas graves de saúde.

Segundo o Escritório Nacional de Pesquisa Econômica dos EUA, o gasto médio de uma pessoa com mais de 65 anos nos EUA é de US $ 18.424. Esse valor dobra quando se trata de pessoas entre 70 e 90 anos de idade.

A publicação afirma que 65% das despesas médicas dos idosos são pagas por meio de serviços governamentais, como o Medicare, que cobre quase todos os custos com pessoas idosas. Porém, a não universalização do serviço pode ter provocado a tragédia verificada no estado de Washington.

Cuidados médicos gratuitos. No SUS, isso existe

No Brasil, o Sistema Único de Saúde (SUS) poderia ter evitado essa tragédia. Apesar de seus limites amplamente divulgados, o SUS garante cuidados médicos a toda a população.

Além disso, o o Sistema é referência em problemas médicos complexos como prevenção e tratamento de HIV/AIDS, transplantes de órgãos, tratamentos de câncer entre outros. O SUS também é responsável pela vacinação gratuita de toda a população e por tarefas invisíveis, como a de vigilância sanitária.

Diminuição das aposentadorias e aumento das tragédias

Chile, Japão e outras nações estão neste momento revendo suas políticas previdenciárias. O motivo é a pouca cobertura que os idosos desses países têm no momento em que mais precisam.

Já o Brasil está na contramão do mundo adotando políticas de austeridade e promovendo uma Reforma da Previdência que pode tirar ainda mais direitos dos mais velhos, sobretudo dos mais pobres.