Desde a aprovação da Reforma da Previdência em 1º turno pela Câmara Federal, há pouco mais de um mês, pedidos de aposentadoria no INSS aumentaram 30%. Os dados foram obtidos pela rádio CBN junto ao INSS.

No mês de julho, mais de um milhão de pedidos chegaram ao INSS. Para técnicos do instituto, os altos números têm a ver com a insegurança das pessoas em relação às novas regras.

Pensão por morte pode ser menor que o mínimo

Na madrugada da última quarta (7) o texto principal foi votado em 2º turno pela Câmara. A lista de destaques foi longe e dentre os pontos aprovados está a permissão para que a pensão por morte seja inferior a um salário mínimo, o que é, hoje, proibido por lei.

INSS corre para dar conta da demanda por aposentadoria

Nesta sexta-feira (9), o INSS começou a trabalhar mecanismos para agilizar processos e tentar zerar a fila de espera por benefícios. A força-tarefa está sendo chamada de Estratégia Nacional De Atendimento Tempestivo (ENAT) e foi criada a partir de uma resolução publicada no Diário Oficial nesta sexta.

Texto chega para discussão no Senado

O texto aprovado na Câmara, com os destaques, chegou ontem ao Senado Federal. O relator escolhido é o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) que deve apresentar seu parecer à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), pela qual passam todas as matérias da Casa.

Capitalização ainda não está fora de questão

Ainda nesta sexta, o ministro da Economia, Paulo Guedes disse“ter planos maiores com relação à capitalização”. Especula-se que Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, presidentes da Câmara e do Senado, respectivamente, estão unidos no propósito de incluir o ponto na Reforma por meio de Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que tramite paralelamente. A ver.