O Dia Nacional de Luta contra Reestruturação no Banco do Brasil organizado pelos bancários, ocorrerá na sexta-feira, dia 9, em todo o país. A ação visa contestar o Programa de Adequação de Quadros (PAQ) lançado em 29 de julho.

Bancários reunidos.
Assembleia lotada e disposta agarantir direitos a todos e todas as brasileiras.

Construído durante o 30º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil, que ocorreu entre 1 e 2 de agosto em São Paulo, o Dia Nacional de Luta também faz parte do calendário de lutas em defesa dos Bancos Públicos.

Os bancários são a parcela mais ciente da necessidade dos Bancos Públicos na vida dos cidadãos. Eles são também os primeiros atingidos pelas ações propostas pelo ministro Paulo Guedes e pelo governo Bolsonaro para as instituições.

“O Banco do Brasil se destacou como um dos maiores bancos nos últimos anos, principalmente no incremento da economia. Foi um dos responsáveis pela reversão da crise de 2008. É um dos principais financiadores da agricultura familiar, 70% do crédito, e da bancarização da população.” João Fukunaga, coordenador da comissão executiva dos funcionários do Banco do Brasil.

No caso do Banco do Brasil, que já é uma empresa de economia mista, IPO’s (abertura de capitais) e follow on (ofertas secundárias) em áreas estratégicas e subsidiárias são as grandes propostas do governo e a preocupação dos bancários.

Segundo Wagner Nascimento, ex-coordenador da Comissão de Empresas dos Funcionários do Banco do Brasil, o Dia de Luta também aponta para um enfrentamento contra a política de desmonte do BB, anunciada na empresa-mãe, mas que desenha para venda de subsidiárias.

João Fukunaga ainda acrescenta ao tema. “O papel de um Banco Público, é agregar valor na sociedade valor e fazer a “bancarização”. Com a política de desmonte que começou no governo Temer e segue com Bolsonaro, o Banco do Brasil vem diminuindo sua capilaridade para levar acesso à população mais carente, isso esvazia o seu papel de Banco Público”, declarou.

“O STF autorizou a venda de subsidiárias sem passar pelo Congresso e isso tem gerado um verdadeiro burburinho no mercado financeiro quanto à possibilidade do BB se desfazer de empresas como BBTS – Tecnologia e Serviços, BBDTV, BB Seguros e BB Previdência e BB Seguridade, entre as principais de muitas empresas que contribuem para o grande lucro do BB nas últimas décadas”, afirmou Wagner.

Wagner também declarou que a venda de subsidiárias pode ser um tiro no pé para a sustentação do BB como uma grande empresa. “Vendendo as partes que também lucram ficará só a casca, de onde vão querer uma eficiência de conglomerado que não vai mais conseguir. Por isso defendemos o BB forte e grande, pra cumprir seu papel no desenvolvimento do país.”, afirmou.

Fukunaga ainda explica que os funcionários estão se mobilizando. “Estamos lutando para defender que o papel do Banco do Brasil mantenha sua importância de estado, de incentivador da economia brasileira, atendendo a todos e todas cuja iniciativa privada não tem intenção de atuar”, diz o coordenador da comissão.

A Contraf-CUT fez uma publicação específica voltada ao tema que pode ser acessada aqui.

Bancários em ação

O calendário de defesa dos Bancos Públicos foi formulado durante o 21ª Conferência Nacional dos Bancários. Durante o evento conjunto de toda a categoria, foram deliberadas as seguintes datas:

Banco do Brasil

  • 9/8 – Dia Nacional de Luta contra a reestruturação
  • 22/8 – Dia de Luta pela Cassi
  • Setembro – Plenária e atividades em locais de trabalho em defesa da Cassi
    Encontro Nacional sobre a Cassi
    Abaixo-assinado contra a cobrança de 1/24 avos acumulado e aumento da coparticipação na Cassi

Caixa

  • Campanha Nacional de defesa do Saúde Caixa para todos
  • Conversar com os parlamentares defendendo a aprovação do PDC 956/2008 da deputada Érica Kokay, que susta a resolução 23 da CGPAR
  • 14/8 – Atos pelo Saúde Caixa
  • 4/9 – Atividades contra a reestruturação e em defesa do Saúde Caixa
  • Campanha contra o fechamento de unidades envolvendo a população das agências afetadas
  • Audiência Pública em todos os estados e municípios em defesa dos bancos públicos
  • 7/10 – Apoiar a luta pela moradia
  • Aproveitar o público que está indo às agências da Caixa para sacar o FGTS e fazer campanhas em defesa dos bancos públicos e do FGTS

Com informações de Paulo Flores