Criado em 1967 para revitalizar a economia do Espírito Santo, que estava em plena mudança, o Bandes é ainda hoje um grande fomentador da modernização e do desenvolvimento do estado.

Logotipo do Bandes

O Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes) é hoje um dos nove Bancos Públicos estaduais que não foram privatizados no Brasil. Criado em 1967 como Companhia de Desenvolvimento Econômico do Espírito Santo (Codes), a instituição surgiu como forma de alavancar a economia depois da política de erradicação dos cafezais que afetou o estado.

Foto: Érico Hiller/ Café Editora

A política de erradicação dos cafezais ocorreu durante a década de 1960 e foi proposta pelo governo federal por meio do Grupo Exclusivo da Recuperação Econômica da Cafeicultura (GERCA) para eliminar cafezais antieconômicos. Isso foi feito para regular o preço da commodity exportada pelo Brasil para o mundo.

Essa política foi desenvolvida e implementada pelo Ministério da Indústria e Comércio, ou seja, foi um esforço econômico que buscava ampliar a diversificação produtiva no estado, que até então tinha sua base na monocultura cafeeira.

O Bandes ampliou sua missão

Atualmente o Bandes segue com a mesma missão: fomentar o desenvolvimento sustentável do Espírito Santo, porém com muito mais potência. Ele é agente credenciado repassador de recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), oferece crédito com seus próprios recursos e é gestor de vários fundos com diferentes destinações.

Trabalha, confia e conta com a ajuda do Bandes
Bandeira do estado do Espírito Santo

Setores prioritários

Os setores prioritários no desenvolvimento sustentável do estado e da instituição são:

  • O micro e o pequeno empreendimento (pessoa física ou jurídica)
  • O interior do Estado do Espírito Santo
  • O agronegócio, especialmente a cafeicultura, a pecuária e a fruticultura
  • A inclusão social e econômica, por meio do trabalho
  • Os arranjos produtivos locais e o adensamento das cadeias produtivas
  • As exportações
  • A inovação tecnológica
  • Economia Criativa
  • Economia Verde
  • Turismo

Todos os segmentos produtivos do estado hoje tem um ‘dedo’ do Bandes ou no seu nascimento ou na sua atuação de hoje.