Muita gente não sabe, mas os bancos públicos cumprem um papel fundamental no financiamento de políticas públicas. O BB, por exemplo, tem destaque no oferecimento de crédito para pequenos e médios agricultores. No último dia 8, o Banco lançou o Plano Safra BB para 2019/2020, que destinará R$ 103 bilhões a todos os produtores rurais.

O papel social do Banco do Brasil

Mas não é só isso. O BB financia moradores do Semiárido; custeia a agricultura familiar agroecológicoa; ; apoia investimentos em inovação tecnológica atrelada à sustentabilidade ambiental; financia a construção de armazéns; apoia a recuperação dos solos, possui uma linha de crédito para as seringueiras; financia a energia renovável; subsidia ações da Defesa Civil em situações de calamidade; auxilia os municípios e os estados, tem uma linha de crédito para financiar caminhões novos para produtores rurais, financia empreendimentos do Minha Casa Minha Vida, o Fies e concede o Crédito Acessibilidade, voltado para as Pessoas com Deficiência. Isso para citar apenas alguns exemplos.

De acordo com relatório de gestão do governo, referente ao período 2016/2018 (até outubro), o BB “fez investimentos sociais da ordem de R$ 554,7 milhões. Em 2017, a participação do BB no financiamento agrícola correspondeu a 60%. Isso também é possibilitado porque o banco está em 99,8% dos municípios do país. O lucro da instituição foi de R$ 9,7 bilhões, de janeiro a setembro de 2018.

Ameaças de Privatização

Sendo assim, por que o atual presidente do banco, Rubem Novaes, vem defendendo sua privatização sempre que possível? Em evento no Rio de Janeiro, em março deste ano, Novaes disse estar convencido de que é preciso privatizar a instituição e que “é como se tivesse bolas de chumbos nas pernas para competir com bancos privados”, ressaltou.

Aos poucos, Novaes trabalha pelo enfraquecimento do banco como instituição pública. No último ano, houve o desligamento de 9.409 funcionários pelo Plano Extraordinário de Aposentadoria Incentivada (PEAI). Os empregados vêm reclamando dos processos de reestruturação, dos descomissionamentos e da extinção de cargos sem negociação com os sindicatos e trabalhadores.

A privatização do Banco do Brasil colocaria em risco todos os programas citados anteriormente, prejudicando, em especial, a população mais desassistida. Vale lembrar que a agricultura familiar é responsável por 70% do que comemos. E o BB é o responsável por esse tipo de financiamento.

BB pelo Brasil

Além disso, o banco está presente em 99,6% dos municípios brasileiros, seja por meio das agências, postos de atendimento ou correspondente exclusivo. Atualmente, segundo dados do Banco Central, dos 5.590 municípios brasileiros, 60,2% contam com uma ou mais agências bancárias. 950 municípios (17%) são atendidos apenas por bancos públicos. Como ficaria vida dessas pessoas com o fechamento de agências que acompanha a privatização dessas instituições?

Ernesto Izumi, Diretor Executivo do Sindicato dos Bancários de SP, explica que com a privatização do BB, o financiamento agrícola para pequenos e médios agricultores ficaria seriamente comprometido: “Sem o BB, o crédito agrícola ficará mais caro. Os outros bancos que já poderiam fazer crédito mais barato preferem concentrar em menos operações e em poucas agroindústrias. Não há país no mundo que não dependa de crédito subsidiado e o Banco do Brasil faz esse papel”, declarou.