De personal trainer a vice-presidente sem a certificação, a Caixa vem sofrendo desgaste e perdas financeiras por ações do presidente Pedro Guimarães. O prejuízo é todo nosso.

Depois da contratação do personal trainer Cleyton Carregari como consultor da presidência da Caixa Econômica com um salário de aproximadamente R$ 30 mil, Pedro Guimarães contratou Thaís Peters para a vice-presidência da Caixa de Recursos de Terceiros.

Thaís, por sua vez, não possui as certificações necessárias para atuar no âmbito da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), nem mesmo a certificação de Gestores junto à Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais e Comissão de Valores Mobiliários (ANBIMA).

Apesar do estatuto da CAIXA exigir que todos os dirigentes da VIART sejam certificados, a regra não foi observada na contratação de Thaís Peters.

Leia também: Pedro Guimarães, presidente da Caixa, é convidado para discutir o desmonte da instituição em audiência pública

Consequências para a Caixa

A ação do presidente não passou despercebida pela CVM, que abriu um processo de descadastramento do banco como gestor de ativos de terceiros. O valor que a Caixa deixará de gerir é da ordem de R$ 600 bilhões.

Ou seja, o banco deixará de receber pela administração dos valores, além de não mais lucrar com as movimentações financeiras deles, caso esteja no contrato.

Ação

A deputada federal Erika Kokay (PT/DF), ex-funcionária da instituição e defensora dos Bancos Públicos, anunciou que apresentará requerimento de informação ao Ministro da Economia, Paulo Guedes, na Câmara dos Deputados.

Ela acredita que a sociedade precisa saber se a substituição por alguém que não tem os requisitos necessários para o cargo foi dolosa – com intuito direto de prejudicar a Caixa e transferir a Gestão de Fundos de Investimentos da Vice-Presidência de Gestão de Ativos de Terceiros da Caixa para Instituições Financeiras Privadas – ou se é apenas um episódio de incompetência.

No vídeo, Erika Kokay faz um pronunciamento na Câmara dos Deputados denunciando as contratações, fala sobre o perigo da saída do Conselho Curador do FGTS, sobre a desestruturação da área de Tecnologia da Informação e, ainda arremata: “É privatização colocar esse banqueiro como presidente. Respeitem a Caixa!”