Índices divulgados pela Confederação Nacional das Indústrias (CNI), Medo do Desemprego e Satisfação com a Vida apontam para inquietude da sociedade com os rumos do governo e a falta de confiança nas ações que impactam positivamente a economia.

Harry mostra o baixo índice de satisfação com a vida.

Segundo pesquisa publicada hoje pela Confederação Nacional das Indústrias (CNI), o medo do desemprego chegou a um dos piores patamares desde o início da auferição: 59,3 pontos percentuais, um crescimento de 2,3 pontos em relação à abril de 2019.

No Brasil a média histórica do indicador é de 49,9 pontos. Porém, a CNI aponta que desde dezembro de 2018, o Medo do Desemprego vem subindo. A instituição coloca que o antídoto que faria o indicador melhorar seria a massiva geração de emprego e renda.

Satisfação com a Vida

A população brasileira costuma ter um alto índice de Satisfação com a Vida, revelado pela média histórica de 69,9 pontos. Porém, o pessimismo aumentou e o resultado de 68,6 ponto percentuais revela isso.

Pessoas com curso superior foram a parcela em que esse impacto se revelou maior: caiu de 71,4 pontos em abril para 68,6 em junho.

O acompanhamento dos índices ajuda a prever o comportamento de consumo das famílias. Quanto mais pessimista o cenário, menor o nível de consumo. Assim como os índices que impactam o mercado, a análise do comportamento das famílias ajuda no planejamento de políticas para impactar positivamente a economia.