Sérgio Sampaio, economista e coordenador do reconta aí explica o impacto dos R$ 100 bi em compulsórios.
Sérgio Mendonça, coordenador do Reconta aí

Paulo Guedes anunciou hoje que o Governo Federal planeja liberar mais de R$ 100 bi em compulsórios. O compulsório é a parcela de dinheiro dos clientes que os bancos não podem usar nas operações de crédito e que precisa ficar retida no Banco Central do Brasil.

O anúncio é um reconhecimento envergonhado do Governo Bolsonaro de que a economia está estagnada e precisa de mais crédito. Além disso, até o momento a estimativa de liberação é de apenas R$ 16 bi, de acordo com o Banco Central.

O economista Sérgio Mendonça afirma que a R$ 100 bi em compulsórios pode não surtir o efeito desejado se não for bem executada. “Tal volume de crédito precisa ser direcionado para algum tipo de investimento como infraestrutura, por exemplo”, afirma.

“Caso contrário, este dinheiro ficará estagnado nos bancos e poderá ser aplicado em títulos públicos. Em outras palavras, servirá só para aumentar a rentabilidade dos bancos, sem efeito real para a população”, afirma o ex-diretor do Dieese.