O lucro líquido dos cinco maiores bancos brasileiros atingiu incríveis R$ 86 bilhões em 2018. Enquanto isso, a população do país vive os efeitos do desemprego, da diminuição do PIB per capita e tem dificuldades para acessar crédito.

Os cinco maiores bancos do país em volume de ativosItaú, Banco do Brasil, Bradesco, Santander e Caixa Econômica Federal – lucraram R$86 bilhões somente em 2018, cerca de 16% a mais do que no ano anterior. O total de ativos das cinco maiores instituições bancárias é, atualmente, de R$ 6,4 trilhões.

Alto lucro e rentabilidade elevada

Os principais motivos do resultado positivo foram a queda das despesas de captação de crédito, impulsionadas pela queda da taxa Selic; a diminuição das provisões de eventuais perdas dos empréstimos, a elevação das receitas com tarifas e serviços; cortes de pessoal; controle das despesas administrativas e redução de impostos. 

Isoladamente, cada um desses fatores é importante. Porém, quando aplicados coletivamente, geram um descolamento da realidade econômica que afeta a população brasileira, mesmo fazendo parte dessa realidade. 

Reforma Trabalhista, privatização de áreas estratégicas de bancos públicos, abandono de políticas econômicas anticíclicas e restrição de crédito para as famílias e para o setor produtivo são, paradoxalmente, motores do aumento de lucros, principalmente para os bancos privados. Mas tem impacto implacável quando falamos em geração de empregos e renda para brasileiras e brasileiros. 

E o futuro, a quem pertence?

O relatório sobre o Desempenho dos Bancos em 2018, elaborado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), aponta um rumo bastante claro: uma forte reestruturação do setor bancário apontando para estruturas virtuais de atendimento.

Isso significa que a cada momento mais usuários serão atendidos por meio de seus smartphones e que agências bancárias e postos de trabalho estão em risco. Além disso, o que se desenha para o futuro é uma limitação na concessão de crédito para pessoas físicas, sobretudo nos empréstimos fora do modelo consignado ou no financiamento de imóveis. Ambos com um risco menor de inadimplência.  

Empregos e empregados

Bradesco, Itaú e Caixa, juntos, fecharam 212 agências bancárias durante o ano 2018. Já Banco do Brasil e o Santander abriram 76 e 28 no ano, respectivamente, totalizando 104 novas agências. O saldo segue negativo, principalmente quando se fala de postos de trabalho.

Entre programas de demissão voluntária (PDV) e desligamentos, foram fechados 3.305 postos de trabalho. Somente entre Caixa e Banco do Brasil foram quase cinco mil empregados, o que afeta diretamente a qualidade do serviço e a quantidade de trabalho para cada funcionário.

Sinais, fortes sinais

Aliados a esses fatores conjunturais de 2018, deve-se considerar questões estruturais do sistema financeiro no Brasil. Os cinco maiores bancos do país aumentam a concentração bancária reduzem a concorrência. Isso encarece os serviços e permite que os bancos mantenham altos spreads (margens) e altas taxas de juros.

A redução gradual e sistemática do tamanho dos Bancos Públicos e o esvaziamento de seu papel social são uma clara sinalização do atual governo. A privatização de tais instituições, em parte ou totalmente, deve conduzir a maior concentração bancária, a restrição na oferta de crédito, dificultando a recuperação da economia e a melhoria de vida da população. Aparentemente, este é o caminho que o Governo Bolsonaro resolveu seguir.