Mais de 10 mil estudantes, professores, indígenas e ambientalistas caminharam na Esplanada dos Ministérios hoje contra cortes na educação e pelo direito ao futuro.

Manifestantes segurando cartazes: mais Educação, menos Juros. Mais livros, menos armas, menos estúpidos no poder.
Fred Matos

Nem o sol escaldante de Brasília desanimou os manifestantes que se ergueram no tsunami da educação nesta quinta, 30. Após horas de negociação frustrada para que o carro de som dos manifestantes pudesse transitar, a direção do movimento decidiu que o ato seguiria sem o aparelho e o que se viu foi uma mar de sombrinhas coloridas caminhando na faixa da esquerda da Esplanada dos Ministérios.

Imagem da manifestação em Brasília com diversas pessoas e um garoto negro segurando um cartaz com a frase Com quantos tiros se faz a educação?
Fred Matos

Aos gritos de  ‘Ô Bolsonaro, vai se #$@%r, eu quero ver você passar na UNB’ e ‘Não é mole não, tem dinheiro pra milícia mas não pra educação’ o grupo passou em frente aos ministérios angariando muito mais simpatia do que olhares enviesados. Alguns motoristas buzinavam em apoio ao movimento, outros apenas seguiam em silêncio.

Imagem da manifestação em frente ao Congresso Nacional em que dois rapazes seguram cartazes com as frases "Você sabia? Tem pesquisa contra o câncer na UNB" e "Mais de 147 mil pesquisas serão prejudicadas"
Fred Matos

A mobilização foi bastante plural e ocorreu por vários meios, sobretudo pela internet. Mesmo não registrando a magnitude do 15M, como ficou conhecido o ato do dia 15 de maio, a hashtag do evento ocupou os trending topics do Twitter o dia inteiro – ou seja, foi um dos temas mais comentados na rede social.

Polícia para quem precisa

Imagem dos policiais segurando fuzis ao lado de manifestantes.
Fred Matos

A Polícia Militar do Distrito Federal acompanhou com tranquilidade o evento, com exceção de um policial, até agora não identificado, que passou  de moto jogando gás de pimenta nos manifestantes.

A defesa do meio ambiente também é sobre futuro

Dois manifestantes do tsunami da educação segurando uma faixa que diz: O Meio Ambiente precisa das Universidades Públicas - todos pela Educação.
Fred Matos

A Associação dos Servidores do Ministério do Meio Ambiente (ASCEMMA) estava reunida sob bandeiras verdes junto aos estudantes. Quando o tsunami da Educação passou em frente ao Ministério do Meio Ambiente, mobilizaram os presentes a irem com eles gritar suas palavra de ordem contra o ministro Ricardo Sales: “Ricardo Sales incompetente, você não respeita o meio ambiente”.

Bandeiras verdes em frente ao Ministério do Meio Ambiente.
Fred Matos

Cláudio Fábio, Presidente da Associação da Carreira de Especialistas em Meio Ambiente de São Paulo, defendeu que a luta pelo meio ambiente passa também pela produção científica das universidades: “Queremos um futuro melhor na educação e no meio ambiente”, afirmou o presidente. Ele ainda arrematou: “Como servidores, é nosso dever lutar pelos direitos constitucionais”.

Tsunami da educação contra o governo Bolsonaro

Drag Queen segura cartaz pela Educação com a frese: Em defesa da Educação.
Fred Matos

A chegada da manifestação foi no gramado do Congresso Nacional. Carrinhos de açaí, ambulantes vendendo água e muitos alunos, de todas as faixas etárias, conversavam não só sobre educação, mas também sobre emprego, Reforma da Previdência e sexualidade. Insatisfeitos de todas áreas se juntaram aos estudantes para exigir não só o fim dos cortes na educação, mas o fim do governo Bolsonaro.