IPO é uma sigla em inglês para a expressão Oferta Pública Inicial ou, no original, Initial Public Offering. Ela é empregada quando pela primeira vez as ações de uma empresa são vendidas publicamente. Ou seja, é a conhecida abertura de capital.

A ideia do governo com as IPO é aumentar a arrecadação das empresas públicas via captação de recursos privados dos acionistas. No caso dos bancos públicos, há algumas variáveis que precisam ser levadas em consideração para entender o impacto dessas IPO na economia brasileira.

Com a abertura de capitais de algumas áreas de empresas estatais, as funções sociais que elas desempenham podem ser prejudicadas, já que pode haver um pedido dos acionistas para que o dinheiro da venda deva ser reaplicado, ou que os acionistas acabem orientando o investimento apenas visando lucro.

Bancos públicos, ao contrário dos privados, têm um papel social importante para a sociedade e para o país. Eles são responsáveis por fazer empréstimos e financiamentos a juros baixos, investir em cultura, esportes e educação, fazer a gestão e o pagamento de benefícios, entre outras atribuições cujo lucro não é o principal objetivo. É preciso ponderar as áreas em que as IPO são propostas e ofertadas para que não haja um desvio de função.