Em 2015 a vida de aproximadamente sete milhões de mulheres mudou no Brasil. Esse foi o ano em que a Lei 150/2015, conhecida como a Lei das Empregadas Domésticas, foi sancionada. Desde então, o país que mais tem empregadas domésticas no mundo, segundo Organização Internacional do Trabalho (OIT), garantiu direitos trabalhistas à categoria. Isso impactou positivamente a vida dessas trabalhadoras, que a partir de então tiveram acesso à direitos comuns a outros trabalhadores como décimo terceiro salário, férias remuneradas, Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), seguro-desemprego, carteira de trabalho e a possibilidade de se aposentar um dia.