O que acontece com os funcionários públicos quando se privatiza uma estatal?

O governo Jair Bolsonaro pretende, em conformidade com a cartilha liberal que segue o Ministro da Economia Paulo Guedes, privatizar algumas estatais. Mas o que acontece com os funcionários concursados dessas instituições?

Hoje temos no Brasil 134 empresas estatais federais, sendo 46 com controle acionário direto e 88 com controle acionário indireto da União. Juntas elas empregam mais de meio milhão de funcionários.

Ao contrário dos servidores de órgãos da administração direta, que possuem estabilidade, os empregados de empresas estatais são contratados pelo regime da CLT, como nas empresas privadas.

Mesmo assim, nas empresas estatais não são comuns demissões sem justa causa. Trabalhadoras e trabalhadores contam com um clima de estabilidade para desenvolver suas atividades da melhor forma.

Com a privatização das empresas públicas não haverá nada que assegure aos funcionários e funcionárias seu emprego, para o qual prestaram e tiveram que ser aprovados em concurso público.

Demissões normais, sem justa causa podem tornar-se regra e nem ao menos os planos de demissões voluntárias precisam ser oferecidos.